Quando o Lux dançou ao som de Darth Vader e Stormtroopers

O músico Moullinex (Luís Clara Gomes) convocou nove músicos para, com ele, tocarem a banda sonora da saga, de John Williams, numa versão mais disco.

"a long time ago, in a club far, far away" Assim começa o vídeo onde se vê o palco do Lux, em Lisboa, ser progressivamente invadido por nove Stormtroopers e pelo próprio Darth Vader. Começa então a reconhecer-se a música de John Williams, banda sonora da saga, embora numa versão mais disco.

Aconteceu na noite de 18 de dezembro, um dia depois de Guerra das Estrelas: O Despertar da Força, o sétimo episódio da saga, estrear. Darth Vader era Moullinex, nome artístico do músico Luís Clara Gomes, e a seu lado estavam nove Stormtroopers, que logo tiraram os seus capacetes.

Os 21 minutos de música no palco daquela casa lisboeta estão agora disponíveis, depois de Moullinex os publicar ontem no seu Facebook.

Na mesma página, o músico, publicando uma fotografia com os "seus" Stormtroopers - Diogo Sousa, Miguel Vilhena, André Cameira, Gui Salgueiro, Dinis Silva, Sandro Félix, João Ramos & João Guerra - escrevia: "Yesterday I felt like a kid on stage playing John Williams' music, along my legion of talented funk Jedis" ("Ontem senti-me como uma criança em palco tocando a música de John Williams com a minha legião de talentosos Jedis funk").

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.