Quadro "São Cosme" de Álvaro Pires de Évora vai a leilão a 26 de fevereiro

O quadro "São Cosme", do pintor português do século XV Álvaro Pires de Évora, vai ser leiloado a 26 de fevereiro, em Lisboa, pela Cabral Moncada Leilões, revelou hoje à agência Lusa fonte da empresa.

A pintura, em têmpera e folha de ouro sobre madeira, é o lote 190 do leilão presencial de Antiguidades e Obras de Arte previsto para 26 e 27 de fevereiro, e leva uma base de licitação de 35 mil euros, com uma estimativa de 52.500 euros.

O quadro é do mesmo pintor cuja obra A Anunciação atingiu 280 mil euros, num leilão da Sotheby´s, em Nova Iorque, no início de fevereiro, tendo sido adquirida pelo Estado português na sequência de uma recomendação formal do Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa, onde ficará integrado no acervo.

No catálogo do leilão da Cabral Moncada é referido que São Cosme, com dimensões de 28 por 21,5 centímetros, encontra-se "em vias de classificação, insuscetível de exportação".

A Direção-Geral do Património Cultural abriu um processo de classificação da pintura, oficializado em Diário da República a 2 de fevereiro.

Com a abertura do processo de classificação, esta obra fica automaticamente protegida por lei e não pode sair do país ou ser intervencionada sem autorização das autoridades competentes, sendo que o Estado pode exercer o direito de preferência em caso de venda.

Álvaro Pires de Évora, pintor que nasceu em Portugal na primeira metade do século XV, viveu quase toda a sua vida em Itália, e a única obra deste autor que se encontrava até agora num museu nacional era "Virgem com o Menino entre S. Bartolomeu e Santo Antão, sob a Anunciação", comprada pelo Estado português em 2001, por 320 mil euros.

Álvaro Pires de Évora está documentado na região da Toscana, em Itália, entre 1411 e 1434, começando pela sua integração num grupo de pintores florentinos encarregados de pintar a fachada do palácio del Ceppo, em Prato, pertencente ao mercador e banqueiro Francesco Datini.

De acordo com um texto do historiador de arte e conservador Joaquim Oliveira Caetano sobre o artista, citado no catálogo do leilão, a biografia deste pintor decorre das pouco mais de 30 pinturas que lhe estão atribuídas, onde se inclui o retábulo da igreja de Santa Croce de Fossabanda, próximo de Pisa, também em Itália.

Português de nascimento, mas artisticamente enquadrado na pintura italiana, os especialistas desconhecem as razões para a sua ida para aquele país, numa altura em que a pintura apenas despontava em Portugal.

A pintura agora em leilão foi autenticada por Frederico Zeri, "um dos maiores especialistas da obra de Pires, e está referenciada no mercado de antiguidades londrino em 1977, altura em que pertencia ao antiquário Rafael Valls", indica ainda o texto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)