Quadro "São Cosme" de Álvaro Pires de Évora vai a leilão a 26 de fevereiro

O quadro "São Cosme", do pintor português do século XV Álvaro Pires de Évora, vai ser leiloado a 26 de fevereiro, em Lisboa, pela Cabral Moncada Leilões, revelou hoje à agência Lusa fonte da empresa.

A pintura, em têmpera e folha de ouro sobre madeira, é o lote 190 do leilão presencial de Antiguidades e Obras de Arte previsto para 26 e 27 de fevereiro, e leva uma base de licitação de 35 mil euros, com uma estimativa de 52.500 euros.

O quadro é do mesmo pintor cuja obra A Anunciação atingiu 280 mil euros, num leilão da Sotheby´s, em Nova Iorque, no início de fevereiro, tendo sido adquirida pelo Estado português na sequência de uma recomendação formal do Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa, onde ficará integrado no acervo.

No catálogo do leilão da Cabral Moncada é referido que São Cosme, com dimensões de 28 por 21,5 centímetros, encontra-se "em vias de classificação, insuscetível de exportação".

A Direção-Geral do Património Cultural abriu um processo de classificação da pintura, oficializado em Diário da República a 2 de fevereiro.

Com a abertura do processo de classificação, esta obra fica automaticamente protegida por lei e não pode sair do país ou ser intervencionada sem autorização das autoridades competentes, sendo que o Estado pode exercer o direito de preferência em caso de venda.

Álvaro Pires de Évora, pintor que nasceu em Portugal na primeira metade do século XV, viveu quase toda a sua vida em Itália, e a única obra deste autor que se encontrava até agora num museu nacional era "Virgem com o Menino entre S. Bartolomeu e Santo Antão, sob a Anunciação", comprada pelo Estado português em 2001, por 320 mil euros.

Álvaro Pires de Évora está documentado na região da Toscana, em Itália, entre 1411 e 1434, começando pela sua integração num grupo de pintores florentinos encarregados de pintar a fachada do palácio del Ceppo, em Prato, pertencente ao mercador e banqueiro Francesco Datini.

De acordo com um texto do historiador de arte e conservador Joaquim Oliveira Caetano sobre o artista, citado no catálogo do leilão, a biografia deste pintor decorre das pouco mais de 30 pinturas que lhe estão atribuídas, onde se inclui o retábulo da igreja de Santa Croce de Fossabanda, próximo de Pisa, também em Itália.

Português de nascimento, mas artisticamente enquadrado na pintura italiana, os especialistas desconhecem as razões para a sua ida para aquele país, numa altura em que a pintura apenas despontava em Portugal.

A pintura agora em leilão foi autenticada por Frederico Zeri, "um dos maiores especialistas da obra de Pires, e está referenciada no mercado de antiguidades londrino em 1977, altura em que pertencia ao antiquário Rafael Valls", indica ainda o texto.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.