Estado compra quadro de Pires de Évora em Nova Iorque por recorde de 280 mil euros

Obra vai para o Museu Nacional de Arte Antiga

A pintura "A Anunciação", parte de um díptico pintado pelo artista português Álvaro Pires de Évora, entre 1430 e 1434, foi adquirida esta quinta-feira em Nova Iorque pelo estado português por 350 mil dólares (280 mil euros) mais a comissão da leioeira.

Ao todo, o quadro ficou por um preço final de 435 mil dólares (348 mil euros), segundo noticia esta noite o jornal Público.

Trata-se de um novo recorde para pinturas do autor vendidas em leilão.

A licitação do quadro começou nos 100 mil euros, com uma oferta garantida, a compra foi feita por um anónimo, por telefone, depois de uma disputa entre três licitadores, todos ao telefone.

O quadro, que pertencia a um colecionador privado, tem 30,5 por 22 centímetros.

Em janeiro, o Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa, apresentou formalmente uma proposta à Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) no sentido de a obra ser adquirida pelo Estado português, sustentando a sua relevância para o património nacional.

No documento enviado à DGPC, os responsáveis do museu apresentavam o leilão como uma "oportunidade rara".

Contactado pela agência Lusa há duas semanas, sobre uma possível aquisição, o Ministério da Cultura disse que a DGPC tinha recebido a proposta e estava a analisá-la, escusando-se a adiantar mais informações sobre a ida da obra a leilão avançada pelo jornal "Público".

De acordo com os dados presentes no catálogo da Sotheby's, a posse do quadro remonta à família do colecionador suíço Heinz Kisters (1912-1977), que o vendeu ao antigo chanceler alemão Konrad Adenauer (1876-1967), e o adquiriu de novo, mais tarde, aos herdeiros do primeiro chefe de Governo da Alemanha Ocidental, chegando o quadro por herança ao atual dono.

O cadastro dá conta apenas de duas exposições públicas do quadro: a primeira em Estugarda, na Alemanha, em 1959, integrado numa mostra dedicada a antigos mestres, e, mais tarde, na exposição "Álvaro Pires de Évora: um pintor português na Itália do Quattrocento", do Arquivo Nacional da Torre do Tombo, para a Lisboa 1994 -- Capital Europeia da Cultura, emprestado pelo seu proprietário.

Ainda segundo o catálogo da Sotheby's, o quadro fez parte dos lotes do leilão da chamada "Coleção Konrad Adenauer", realizado pela Christie's, em Londres, em junho de 1970, tendo ficado sem comprador.

Em Portugal, existe apenas um quadro de Álvaro Pires de Évora. Com Lusa

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.