Quadro de Picasso roubado há 14 anos regressa a França

As autoridades norte-americanas entregaram ontem a pintura "La Coiffeuse", de Pablo Picasso, roubada há catorze anos do Centro George Pompidou.

A embaixada francesa em Washington foi o local escolhido para a formalização da entrega da obra de arte e para mostrar aos meios de comunicação social a peça avaliada em 15 milhões de dólares (13,5 milhões de euros) e que tinha sido contemplada pela última vez em 1998, em Munique, na Alemanha.

De acordo com o embaixador francês nos Estados Unidos, Frédéric Doré, a obra de Pablo Picasso, datada de 1911, é uma "peça única", sendo o seu destino o museu Centro Pompidou, em Paris, de onde desapareceu em 2001.

O quadro foi encontrado em dezembro passado em Newark, cidade do Estado de Nova Jersey, num barco que vinha da Bélgica. A embalagem tinha uma etiqueta onde se podia ler "Feliz Natal" e onde dizia tratar-se de uma peça de artesanato de 37 dólares.

Os agentes aduaneiros examinaram o barco e descobriram a obra de arte, entregando-a posteriormente ao Departamento de Segurança Nacional (DHS). Neste momebnto, ainda não há pormenores sobre como o quadro foi ali parar e a investigação ao roubo prossegue.

Na cerimónia de entrega do quadro, a diretora do Serviço de Imigração e Controlo Aduaneiro (ICE) dos EUA, Sarah Saldaña, afirmou ser "uma honra poder devolver uma obra tão importante", continuando o seu discurso dizendo que "é uma prioridade significativa" recuperar e devolver peças de arte roubadas.

"Num mundo que se torna cada vez mais pequeno, a proteção dos tesouros culturais têm uma importância cada vez maior", prosseguiu, afirmando que a sua equipa está "comprometida a fazer todos os possíveis para devolver obras de arte aos seus proprietários legítimos".

Ler mais

Exclusivos

Premium

António Araújo

Ex-votos

No Estio de 1736, em dia que se ignora, saiu em sua mulinha o beneficiado Manuel Antunes, natural de Barbacena. No caminho das Portas da Esquina para a Horta dos Passarinhos havia uma ladeira pedregosa e íngreme, onde se lhe espantou a mula, por razões desconhecidas. Uma e outra vez caiu ao chão o clérigo, ficando muito ferido, e em muita aflição. Naquele aperto, suplicou aos céus, salvou-se. Em cumprimento da promessa feita, mandou reparar a tosca cruz que por lá havia, campos da Torre das Arcas. O lugar rapidamente ganhou fama de milagreiro. Fez-se então a romaria que ainda hoje perdura. E ergueu-se a ermida que tem o nome de Igreja do Senhor Jesus da Piedade de Elvas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Saúde e sustentabilidade democrática 

Penso que não há ninguém que refute que uma das características indissociáveis de toda e qualquer sociedade democrática é a sua capacidade de debater, de uma forma que se quer construtiva e evolutiva, também sobre si mesma e os seus índices de desenvolvimento. Na nossa perspetiva ocidental e europeia, o conceito de democracia parece já enraizado por todos e em todos, ao ponto da quase estagnação. Mas será aconselhável estarmos, enquanto país ou até como membro integrante da união política e económica, tão descansados assim?

Premium

Adriano Moreira

A ambiguidade da política

Além do sentido académico da palavra, designando o pensamento político, "teorias políticas", "filosofia política", "ciência política", tal sentido afasta-se do exercício dos que a praticam, tendo em vista o poder de governar. Dão-se exemplos como o de Lord Butler, que a definiu como "arte do possível", cinicamente como D'Israeli, que a definiu como a arte de governar os cidadãos desiludindo-os, ou, finalmente, e cobrindo intenções menos tranquilizantes, entendendo-a com Hitler, como a arte de mobilizar uma nação para defender a sua existência. Em todo o caso, o mais corrente, entre estadistas responsáveis, é entender a política como a arte de conciliar interesses opostos.