Quadro de Vieira da Silva arrematado por 175 mil euros na Sotheby's

Valor estimado da pintura situava-se entre os 100 mil e os 150 mil euros

O quadro "Red Houses", da artista portuguesa Maria Helena Vieira da Silva, que foi esta quarta-feira a leilão na Sotheby's, em Paris, foi arrematado por 175 mil euros, de acordo com a leiloeira.

A pintura, que apresentava um valor estimado entre os 100 mil e os 150 mil euros, é uma das têmperas sobre tela apresentadas por Vieira da Silva em 1963, nas galerias Jeanne-Bucher, em Paris, Knoedler, em Nova Iorque, e na Phillips Collection, em Washington.

Com 37 centímetros de largura por 54 centímetros de comprimento, este quadro foi originalmente vendido pela galeria nova-iorquina, e seguiu para a Galeria Albert Loeb, também representada na capital francesa, onde um colecionador de Milão o adquiriu, de acordo com a genealogia agora apresentada pela leiloeira, que não indica alguma exposição pública da obra nem a passagem por Portugal.

O proprietário era um colecionador privado suíço, segundo os mesmos dados, e tinha comprado o quadro em 1999, através da galeria Applicat-Prazan, na capital francesa.

Entre os 43 lotes do leilão de arte contemporânea de hoje, encontravam-se igualmente obras de Zao Wou-Ki, Kazuo Shiraga, Jean Dubuffet, Damien Hirst, Keith Haring, Roberto Matta, Tom Wesselmann e Manolo Valdés, com estimativas de venda que vão dos 150 mil aos 3,2 milhões de euros.

Até agora, o preço mais alto atingido neste leilão foi o quadro "Takao", de Kazuo Shiraga, por 8,731 milhões de euros, seguindo-se "21.03.69", de Zao Wou-Ki, por 4,102 milhões, e "Portrait d'homme moustachu...", de Jean Dubuffet, por 3,030 milhões de euros.

Esta quinta-feira, também vão a leilão, na Sotheby's de Paris, outros dois quadros da pintora, "Fête" e "Intrusion", com valores estimados entre os 70 mil e os 300 mil euros.

"Fête" é um óleo sobre tela datado de 1965, com uma estimativa de venda entre os 200 mil e os 300 mil euros, detido por um colecionador particular que o adquiriu à galeria Daniel Varenne, de Paris, por volta de 1974, segundo a leiloeira. O quadro, com uma dimensão de 65 centímetros por 81 centímetros, foi originalmente colocado pela pintora na galeria Knoedler, de Nova Iorque, em 1966.

"Intrusion", uma pintura de têmpera em papel de 1971, também pertence a um colecionador privado, que o adquiriu à galeria da artista, em Paris, a galeria Jeanne Bucher. Com uma dimensão de 92 centímetros por 63,5 centímetros, tem um valor estimado entre os 70 mil e os 100 mil euros.

"Fête" é um dos quadros com a expectativa de venda mais alta deste segundo leilão - 300 mil euros -, a par de "Autumal Fire", de Mark Tobey, e de uma composição abstrata de Sergei Poliakoff.

Entre os 123 lotes do leilão de quinta-feira, encontram-se igualmente obras de Hans Hartung, Jean Dubuffet, Henri Michaux, Yves Klein e Bernard Schultze, com valores que partem dos mil euros.

No leilão de arte contemporânea de 6 de dezembro de 2017, a Sotheby's Paris vendeu outro quadro da pintora, "Rue de la Glacière", um óleo sobre tela de 1955, por 309 mil euros.

No passado mês de março, o óleo de Vieira da Silva "L'Incendie" atingiu o valor de 2,29 milhões de euros, num leilão da Christie's, em Londres. Trata-se de um dos quadros emblemáticos da artista, feito em 1944, durante o exílio no Brasil, que fez parte da coleção Jorge de Brito.

A 28 de maio, a Direção-Geral do Património Cultural publicou em Diário da República um anúncio relativo à proposta de classificação de interesse público da pintura "Les bicycletes ou Les Cycles", de Vieira da Silva, datada de 1951, na posse de um colecionador privado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.