Quadro de Domingos Sequeira vai hoje para "o lugar certo"

A campanha de angariação de fundos "Vamos colocar o Sequeira no lugar certo" acumulou cerca de 745 mil euros

O quadro "A Adoração dos Magos", do pintor português Domingos António Sequeira (1768-1837), comprado com fundos angariados numa campanha pública, vai ser hoje colocado "no lugar certo", do Museu Nacional de Arte Antiga, em Lisboa.

De acordo com o museu, a tela - cuja campanha pública tinha como título "Vamos colocar o Sequeira no lugar certo" - será hoje colocada às 12:00, na nova exposição permanente de pintura e escultura portuguesa, que é inaugurada na quinta-feira.

O Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA) indica, num comunicado, que o restauro da obra "acaba de ser finalizado" pelo Departamento de Conservação e Restauro daquela instituição, onde o quadro se encontrava na sequência da aquisição da peça, em abril.

A campanha pública de angariação de fundos para comprar "A Adoração dos Magos" atingiu um total de 745.623,40 euros, ultrapassando largamente os 600 mil euros necessários para a aquisição, tendo o museu já anunciado que o excedente será utilizado na compra de outra obra de arte, de valor cultural correspondente.

Esta foi a primeira campanha em Portugal de angariação de fundos para a aquisição de uma obra de arte para um museu público, e contou com a contribuição de milhares de cidadãos, a título individual, instituições, empresas, fundações, escolas, juntas de freguesia e câmaras municipais.

Lançada em outubro do ano passado, a campanha "Vamos pôr o Sequeira no Lugar Certo" tinha como objetivo ajudar o museu a adquirir a obra de Domingos Sequeira, pintada em 1828, da qual o MNAA possui o desenho final e vários preparatórios.

A tela faz parte da série "Palmela", com quatro pinturas religiosas, e o MNAA possui, na sua coleção, os desenhos preparatórios de estudo de todas elas, mas não os respetivos óleos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.