Quadro de Degas roubado em 2009 encontrado em autocarro

Nenhum dos passageiros reclamou a posse da pintura avaliada em 800 mil euros

Uma pintura de Edgar Degas, "Les Choristes" ("As Coristas"), roubada de um museu de Marselha, em 2009, foi encontrada num autocarro em Paris. O quadro, avaliado em 800 mil euros, estava escondido na bagageira do veículo e nenhum dos passageiros reclamou a sua posse.

Segundo o jornal francês Le Figaro, a ministra francesa da Cultura, Françoise Nyssen, ficou encantada com "esta feliz redescoberta de um valioso trabalho que pertence às coleções nacionais e cujo desaparecimento representou uma grande perda para a herança impressionista francesa".

"Les Choristes" pertence ao Museu de Orsay, na cidade de Paris, e foi furtada a 31 de dezembro de 2009 do Museu Cantini, em Marselha, onde estava por empréstimo para fazer parte de uma exposição. As autoridades não registaram qualquer evidência de invasão.

Na noite da passada sexta-feira, ao verificar um autocarro estacionado numa área a leste de Paris, os funcionários da alfândega encontraram numa mala "um trabalho com a assinatura Degas". Nenhum dos passageiros se identificou como proprietário e ninguém foi deito, de acordo com um comunicado.

A pintura data de 1877 e na altura do roubo o seu valor era estimado em 800 mil euros, mas o Museu de Orsay não quis confirmar a quantia: "Estes são valores de seguro e isso é incomunicável", disseram os responsáveis da instituição.

Edgar Degas foi um dos fundadores do impressionismo. Muitos dos seus trabalhos conservam-se hoje no Museu de Orsay, na cidade de Paris, onde o artista nasceu e faleceu, em 1917.

Ler mais

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".