PSD questiona ministro sobre situação no Museu de Arte Antiga

Se respostas não forem satisfatórias, sociais-democratas vão chamar Luís Filipe Castro Mendes à Assembleia da República

O grupo parlamentar do PSD entregou ontem na Assembleia da República uma pergunta ao ministro da Cultura Luís Filipe Castro Mendes, para esclarecer dúvidas sobre a situação do Museu Nacional de Arte Antiga. A iniciativa dos deputados sociais-democratas surgiu no dia em que o DN revelou a carta de desculpas que o diretor do museu, António Filipe Pimentel, enviou à tutela, após as suas declarações na sexta-feira, durante a Escola de Quadros do CDS, em que alertou para as condições do MNAA, salientando que "um destes dias há uma calamidade no museu".

No documento, a que o DN teve acesso, são colocadas quatro questões em concreto ao ministro da Cultura. As primeiras três relacionam-se diretamente com a situação vivida no museu: "Quais são os problemas e necessidades que o Museu Nacional de Arte Antiga enfrenta atualmente?; São legítimas as preocupações tornadas públicas pelo Sr. Diretor do MNAA? Caso o sejam, que medidas, e em que prazo, tenciona tomar para reverter a grave situação agora denunciada?". A última questão prende-se com a continuidade de Pimentel à frente do principal museu nacional: "Afirmou na comunicação social que "para já" não pretende substituir o Sr. Diretor do MNAA indiciando que não põe de parte fazê-lo. Ponderou essa possibilidade e, se sim, com que fundamentos?".

Considerando que "as desculpas não evitam calamidades anunciadas", o deputado do PSD Sérgio Azevedo adiantou ao DN que, "se as respostas não forem satisfatórias, vamos pedir a presença do sr. ministro no Parlamento para esclarecer todas as dúvidas".

Quanto aos restantes grupos parlamentares, o PCP não quis fazer qualquer declaração sobre o assunto e tanto BE como PS não estiveram disponíveis para falar. Para Teresa Caeiro, do CDS, "o incidente está esclarecido", dizendo aguardar com expectativa a apresentação do Orçamento de Estado para 2017 para aí e "numa lógica mais abrangente falar sobre a política cultural do Governo".

O gabinete do ministério da Cultura, contactado pelo DN, não comenta a carta que foi enviada pelo diretor do MNAA, na qual António Filipe Pimentel admitiu as suas afirmações, "embora descontextualizadas" e diz não ter "dúvidas sobre a sua manifesta inoportunidade, se retrospetivamente observadas e com olhos e ouvidos descomprometidos, justamente os de quantos a leram e ouviram". O ministro regressou ontem do Brasil, onde esteve em visita oficial com o primeiro-ministro, mantendo-se para já inalterada a intenção de chamar a despacho o diretor do MNAA, que nos próximos dias está fora, em Paris, em trabalho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.