Próximo Blade Runner será uma sequela e com Harrison Ford

Icónico filme dos anos 80 vai regressar, mas não será um reboot. Vai seguir o exemplo de outros filmes e será uma continuação

Do regresso do Blade Runner pouco se sabe e provavelmente ter-se-á de esperar mesmo à estreia do filme, no próximo ano, para se conhecer os pormenores. Porém, um múpi colocado na Licensing Expo, em Las Vegas, confirmou um importante pormenor: Blade Runner não será um reboot, mas sim uma sequela. 24 anos depois, Harrison Ford vai voltar a ser Rick Deckard, em mais um regresso a personagens marcantes, depois de Indiana Jones e Han Solo.

O filme será realizado por Denis Villeneuve, com Ridley Scott - que realizou em 1982 - a estar envolvido no argumento. Ryan Gosling deverá representar a personagem principal, com Robin Wright e Mackenzie Davis também a pertencerem ao elenco.

Também na Licensing Expo surgiu o múpi de mais uma sequela de Parque Jurássico e o que deverá ser um reboot de Jumanji, filme de 1995 que contou com Robin Williams num dos principais papéis. Em 2017, contará com Dwayne Johnson, que atualmente está nas filmagens de Marés Vivas, série dos anos 90 que agora passará a filme.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.