Próximo Blade Runner será uma sequela e com Harrison Ford

Icónico filme dos anos 80 vai regressar, mas não será um reboot. Vai seguir o exemplo de outros filmes e será uma continuação

Do regresso do Blade Runner pouco se sabe e provavelmente ter-se-á de esperar mesmo à estreia do filme, no próximo ano, para se conhecer os pormenores. Porém, um múpi colocado na Licensing Expo, em Las Vegas, confirmou um importante pormenor: Blade Runner não será um reboot, mas sim uma sequela. 24 anos depois, Harrison Ford vai voltar a ser Rick Deckard, em mais um regresso a personagens marcantes, depois de Indiana Jones e Han Solo.

O filme será realizado por Denis Villeneuve, com Ridley Scott - que realizou em 1982 - a estar envolvido no argumento. Ryan Gosling deverá representar a personagem principal, com Robin Wright e Mackenzie Davis também a pertencerem ao elenco.

Também na Licensing Expo surgiu o múpi de mais uma sequela de Parque Jurássico e o que deverá ser um reboot de Jumanji, filme de 1995 que contou com Robin Williams num dos principais papéis. Em 2017, contará com Dwayne Johnson, que atualmente está nas filmagens de Marés Vivas, série dos anos 90 que agora passará a filme.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.