Primeiro festival de futebol e cinema em Portugal

O nome é Cine Futebol Clube e trata-se do primeiro festival de futebol e cinema a realizar-se em Portugal, que vai exibir seis filmes e organizar dois debates entre sexta-feira e sábado no Porto.

"Há tanta matéria-prima, muitas coisas de qualidade que aqui não encontras nem à venda nem nas salas de cinema e achámos que a melhor forma era tentarmos organizar nós próprios um 'minifestival' para dar a conhecer estes conteúdos", afirmou à Lusa o jornalista Francisco Ferreira, na origem da ideia a par do também jornalista Ivo Costa, juntando-se aos colegas de profissão César Nóbrega, Rui Frias e Sérgio Pires e à agência Busílis da Comunicação.

Todas as sessões (na língua original e com legendas em inglês) decorrem nas galerias Lumière, no Porto, e têm entrada gratuita, estando a abertura marcada para sexta-feira, às 21:30, com a curta-metragem Ernesto no país do futebol, de André Queiroz e Thaís Bologna, seguindo-se o debate Futebol, uma paixão transversal antes do filme argentino El otro fútbol, de Federico Peretti, e de Pelada, de Luke Boughen, Rebekah Fergusson, Gwendolyn Oxenham e Ryan White.

No sábado, a noite começa novamente com uma curta -- O primeiro João, de André Castelão -- e um debate sobre o tema O sonho no futebol, para depois exibir-se The Other Final, de Johan Kramer, e The Mouse That Scored, de Sebastian Frommelt e Sigvard Wohlwed.

A escolha dos filmes foi feita em torno das autorizações conseguidas junto das produtoras, momento a partir do qual foi feita uma seleção, procurando "que as coisas fizessem sentido, que houvesse um fio condutor", disse Francisco Ferreira.

O jornalista explicou que o objetivo da primeira edição do evento é "estabelecer a sua existência para que as pessoas percebam que isto existe" e, ao mesmo tempo, "tentar integrar [o Cine Futebol Clube] neste pequeno circuito que já existe lá fora", o que permitirá o crescimento do evento nas próximas edições, lembrando os festivais do género em países como a Alemanha, Espanha e Brasil.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.