Primeira longa-metragem de Leonor Teles compete em festival francês

O filme "Terra Franca", primeira longa-metragem da realizadora portuguesa Leonor Teles, foi selecionado para o Festival Internacional do Documentário Cinéma du Réel, que se realiza em março, em Paris.

A organização revelou hoje os filmes em competição, entre curtas e longas-metragens, e entre eles está um novo filme de Leonor Teles, que contava até agora com as curtas-metragens Balada de um Batráquio (2016) e Rhoma Acans (2012).

Produzido por Uma Pedra no Sapato, o documentário Terra Franca centra-se em Albertino Lobo, um pescador que vive à beira do rio Tejo, cujo retrato foi filmado por Leonor Teles ao longo das quatro estações do ano, lê-se na sinopse.

Nascida em Vila Franca de Xira, em 1992, Leonor Teles formou-se na Escola Superior de Teatro e Cinema e já conquistou vários prémios nacionais e internacionais, sobretudo com Balada de um Batráquio, vencedor do Urso de Ouro em Berlim, em 2016.

O festival Cinéma du Réel decorrerá de 23 de março a 01 de abril, no Centro Georges Pompidou, em Paris.

Em 2017, o realizador português Ico Costa venceu o prémio de melhor curta-metragem com o filme Nyo Vweta Nafta.

Em 2010, Susana de Sousa Dias foi distinguida com o grande prémio do festival com o filme 48.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.