Primeira edição de Gabriel García Marquez recuperada

A polícia colombiana afirma ter recuperado a primeira edição de "Cem Anos de Solidão", assinada por Gabriel García Márquez, que tinha sido roubada no dia 2 de maio em Bogotá.

O livro estava numa vitrina fechada na Feira Internacional do Livro, em Bogotá, e pertence a um colecionador que o tinha adquirido em 2006 e, mais tarde, pedido um autógrafo ao autor, Gabriel García Márquez.

A polícia suspeita que os ladrões possam ser alfarrabistas. A cópia de "Cem Anos de Solidão" foi encontrada à venda numa banca de livros usados, diz a BBC. No bairro de La Perserverancia, no centro de Bogotá, acrescenta o diário espanhol "El Periódico", citando a conferência de imprensa da polícia colombiana. Foi abandonado pelos ladrões quando perceberam que estavam a ser vigiados pelas autoridades. O livro estava numa caixa e não sofreu qualquer dano.

Esta primeira edição do livro, um dos 8 mil exemplares impresso pela Editorial Sudamericana em 1967, valeria cerca de 50 mil euros no mercado, preços que têm subido desde que Gabriel García Márquez morreu, em abril do ano passado, no México.

O proprietário, que negoceia com livros raros, diz que comprou o exemplar em Montevideo, Uruguai, em 2006, numa loja. Tempos depois, o escritor assinou-o. "Para Alvaro Castillo, vendedor de livros antigos, como ontem e como sempre, o teu amigo, Gabo". Garante que para ele não tem preço. "Foi assinado por um amigo, e esse amigo já morreu". Garante que o doará à Biblioteca Nacional de Colômbia, "porque é um património do país".

A obra, rara, estava na Feira Internacional do Livro de Bogotá para ser exposta, uma vez que o tema era Macondo, o nome da aldeia imaginária onde se passa "Cem Anos de Solidão", o mais lido e traduzido romance do escritor, prémio Nobel da Literatura em 1982.

O diretor da polícia agradeceu pelo Twitter aos polícias que "conseguiram recuperar o livro que tinha sido roubado".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.