Prémios Autores são entregues hoje

Os 22 vencedores do Prémio Autores, atribuído pela Sociedade Portuguesa de Autores (SPA), recebem hoje os respetivos galardões, numa cerimónia que se realiza no salão nobre da Câmara Municipal de Lisboa, a partir das 18:00.

Os atores João Perry, no teatro, e Gonçalo Waddington, no cinema, o dramaturgo Abel Neves, os músicos Samuel Úria e David Santos, Noiserv, e o compositor António Pinho Vargas estão entre os 22 vencedores dos Prémios Autores, que contemplam diferentes áreas e disciplinas e constituem "um estímulo para que a criatividade dos autores portugueses, mesmo neste ciclo de adversidade e privação, não abrande", lê-se no comunicado da SPA.

O encenador João Garcia Miguel, a atriz Flávia Gusmão, o fotógrafo Jorge Molder e o pintor Jorge Martins, nas Artes Plásticas, Luís Filipe Rocha, João Pedro Rodrigues e João Rui Guerra da Mata, no cinema, e os escritores A. M. Pires Cabral, Afonso Cruz e Álvaro Magalhães são outros dos vencedores.

No passado mês de fevereiro, a SPA anunciou a entrega dos Prémios do Autor no Salão Nobre da Câmara, dada a indisponibilidade da RTP para realizar a Gala do Autor, como acontecera em anos anteriores.

"Tendo a RTP comunicado à SPA que não está disponível para realizar, em parceria com a nossa cooperativa, a Gala do Prémio Autor 2014, facto que desde já profundamente lamentamos, o Conselho de Administração e a Direcção da SPA tomaram a decisão de não realizar aquela gala no corrente ano, embora vá atribuir os prémios anuais, como é sua prática há vários anos e também um dever para com a comunidade dos criadores nacionais", afirmou a cooperativa em comunicado.

A lista dos vencedores foi anunciada pela SPA, no passado dia 03 de maio.

Lista dos 22 vencedores do Prémio Autores 2014:

MELHOR ESPETÁCULO

"Yerma", projeto com direção e encenação de João Garcia Miguel, a partir do poema dramático de Federico García Lorca - Companhia João Garcia Miguel.

MELHOR ATOR DE TEATRO

João Perry em "O Preço", de Arthur Miller -- Teatro Aberto.

MELHOR ATRIZ DE TEATRO

Flávia Gusmão em "As Centenárias" -- Teatro Meridional.

MELHOR TEXTO PORTUGUÊS REPRESENTADO

"Sabe Deus pintar o diabo", de Abel Neves, pela Companhia de Teatro de Braga.

MELHOR TRABALHO CENOGRÁFICO

"O Preço", de Arthur Miller, por António Casimiro e João Lourenço -- Teatro Aberto, Lisboa.

MELHOR TRABALHO DE FOTOGRAFIA

"Rei, Capitão, Soldado, Ladrão", de Jorge Molder - patente no Museu do Chiado, em Lisboa.

MELHOR EXPOSIÇÃO DE ARTES PLÁSTICAS

"A Substância do Tempo", de Jorge Martins - patente na Fundação Serralves, no Porto.

MELHOR COREOGRAFIA

"Salto", de André Mesquita.

MELHOR PROGRAMA DE RÁDIO

"5 Minutos de Jazz", de José Duarte -- Antena 1.

MELHOR CANÇÃO

"Lenço enxuto", de Samuel Úria.

MELHOR TRABALHO DE MÚSICA ERUDITA

"Magnificat", de António Pinho Vargas.

MELHOR DISCO

"Almost Visible Orchestra", de Noiserv.

MELHOR LIVRO INFANTO-JUVENIL

"O Senhor Pina", de Álvaro Magalhães e ilustrações de Luiz Darocha -- Assírio & Alvim.

MELHOR LIVRO DE POESIA

"Gaveta do fundo", de A. M. Pires Cabral -- Tinta-da-China.

MELHOR LIVRO DE FICÇÃO NARRATIVA

"Para onde vão os guarda-chuvas", de Afonso Cruz - Edições Alfaguara.

MELHOR PROGRAMA DE TELEVISÃO DE ENTRETENIMENTO

"Odisseia", realizado por Tiago Guedes -- RTP1.

MELHOR PROGRAMA DE TELEVISÃO DE FICÇÃO

"Linhas de Torres", de Carlos Saboga, com realização de Valeria Sarmiento -- RTP1.

MELHOR PROGRAMA DE TELEVISÃO DE INFORMAÇÃO

"Travessia do Deserto", de Mafalda Gameiro -- RTP1.

MELHOR ARGUMENTO DE CINEMA

"Até amanhã camaradas", de Luís Filipe Rocha.

MELHOR ATRIZ DE CINEMA

Maria João Bastos, em "Bairro", de Jorge Cardoso, José Manuel Fernandes, Lourenço Mello e Ricardo Inácio.

MELHOR ATOR DE CINEMA

Gonçalo Waddington em "Até amanhã camaradas", de Joaquim Leitão.

MELHOR FILME

"A última vez que vi Macau", de João Pedro Rodrigues e João Rui Guerra da Mata.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.