"Os Loucos da Rua Mazur". Prémio Leya vai para João Pinto Coelho

Vencedor ganha prémio de 100 mil euros

"Os Loucos da Rua Mazur", de João Pinto Coelho, é o romance vencedor do Prémio LeYa 2017, no valor de 100.000 euros. O anúncio foi feito hoje, na sede do grupo editorial em Alfragide, nos arredores de Lisboa. O eleito, autor de 'Perguntem a Sarah Gross', já fora finalista deste prémio em 2014.

O júri, presidido por Manuel Alegre, elogiou o "romance bem estruturado" que "não cede ao facilitismo do romance histórico". A ação de "Os Loucos da Rua Mazur" passa-se antes da segunda guerra mundial, na Polónia. O júri destaca ainda "as qualidades de efabulação e verosimilhança em episódios de violência brutal com motivações ideológico-políticas e étnico-religiosas".

À edição deste ano apresentaram-se 400 originais, provenientes de 18 países (192 de Portugal e 187 do estrangeiro), dos quais foram selecionados cinco finalistas.

O júri do Prémio LeYa deste ano foi presidido pelo escritor Manuel Alegre e constituído ainda pelos escritores Nuno Júdice, Pepetela, para além do crítico José Castello, do professor da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra José Carlos Seabra Pereira, do reitor do Instituto Superior Politécnico e Universitário de Maputo Lourenço do Rosário, e da professora da Universidade de São Paulo Rita Chaves.

O ano passado, o júri deliberou por unanimidade não atribuir o prémio, dada a falta de qualidade das obras apresentadas.

Em 2015, o vencedor foi "O Coro dos Defuntos", de António Tavares.

O romance "O Rasto do Jaguar", de Murilo Carvalho, foi o primeiro vencedor do galardão, em 2008, ao qual se seguiu "O Olho de Hertzog", de João Paulo Borges Coelho. Em 2010, o júri decidiu pela primeira vez não atribuir o galardão, devido à falta de qualidade das obras a concurso, e em 2011 distinguiu o romance "O Teu Rosto Será o Último", de João Ricardo Pedro. "Debaixo de Algum Céu", de Nuno Camarneiro venceu em 2012, "Uma Outra Voz", de Gabriela Ruivo Trindade, em 2013, e "O Meu Irmão", de Afonso Reis Cabral, em 2014.

O Prémio LeYa, segundo o regulamento, "tem por objetivo incentivar a produção de obras originais de escritores de Língua Portuguesa, e destina-se a galardoar uma obra inédita de ficção literária, na área do romance, que não tenha sido premiada em nenhum outro concurso".

Ao prémio, o maior para uma obra inédita escrita em Língua Portuguesa, podem candidatar-se "todas as pessoas singulares com plena capacidade jurídica, independentemente da sua nacionalidade".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.