Prémio gerou grande expectativa à produção do evento

"As expectativas em relação a este prémio são grandes", confessou ao DN, a semana, passada Ana Fernandes, directora-geral da Realizar que, desde 2007, produz o Festival dos Oceanos, uma iniciativa do Turismo de Lisboa.

Este festival, que se realiza em Lisboa, vai já na sua 7.ª edição."Foi a primeira vez que nos candidatámos a este prémio porque considerámos ter atingido um patamar digno de competir com outros eventos europeus. E o aumento progressivo do número de espectadores fala por si", refere Ana Fernandes, também responsável pelo evento.

O Festival dos Oceanos foi nomeado pela edição de 2009, que contou com 300 mil espectadores. Esse número subiu para 350 mil na edição deste ano e para o festival do próximo ano, que ira decorrer entre 30 de Julho e 13 de Agosto, que já está a ser preparado, a fasquia foi colocada mais alta.

"Depois desta candidatura é natural que sejamos mais exigentes e portanto vamos trabalhar no sentido de receber mais do que os 350 mil espectadores deste ano", afiançou Ana Fernandes a semana passada. O DN tentou contactar esta responsável que recebeu o prémio, mas tal não foi possível.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.