Prancha original de "Tintin - Explorando a Lua" leiloada por 1,55 milhões

Hergé detém a maioria dos recordes de vendas para os originais de banda desenhada

Uma prancha original do álbum "Tintin - Explorando a Lua" foi hoje leiloada, em Paris, por 1,55 milhões de euros, um recorde para uma única prancha, anunciou a leiloeira, depois de ter vendido uma dupla por 1,2 milhões de euros.

A prancha de 50 x 35 cm, desenhada a tinta-da-china e guache branco pelo cartoonista belga Hergé, mostra a personagem principal Tintin, a cadela Milou e o capitão Haddock, vestidos com roupa espacial, descobrindo as alegrias de caminhar em solo lunar e olhando para a "luz da Terra".

Estimava-se que a peça, que em si resume plenamente o título do álbum, fosse vendida entre os 700 mil e os 900 mil euros.

"Este é uma das pranchas mais importantes do pós-guerra, assim como os álbuns "Tintin no Tibete" e "As joias de Castafiore", saída de um álbum que se tornou mítico para imensos colecionadores e amantes da banda desenhada", argumentou o especialista em banda desenhada da leiloeira Artcurial, Eric Leroy.

Uma outra prancha original do álbum "Tintin - Explorando a Lua" deverá ser leiloada durante a tarde de hoje pela leiloeira Christie"s, em Paris.

No entanto, contrariamente à prancha vendida pela Artcurial, nessa não aparece Tintin nem nenhuma das outras personagens, estando a atenção focada nos veículos de emergência terrestres. Nesta prancha é possível ver o Ford Tudor Sedan (modelo de 1950), do diretor da base espacial, M. Baxter, de quatro ângulos diferentes. A peça tem 37 x 51 cm e estima-se que possa render entre 350 mil a 400 mil euros.

Hergé detém a maioria dos recordes de vendas para os originais de banda desenhada.

Já neste ano, a Artcurial tinha conseguido vender uma prancha dupla original do álbum "O ceptro de Ottokar", a oitava das aventuras de Tintin, por 1,2 milhões de euros, acima das expectativas da leiloeira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).