Prancha original de "Tintin - Explorando a Lua" leiloada por 1,55 milhões

Hergé detém a maioria dos recordes de vendas para os originais de banda desenhada

Uma prancha original do álbum "Tintin - Explorando a Lua" foi hoje leiloada, em Paris, por 1,55 milhões de euros, um recorde para uma única prancha, anunciou a leiloeira, depois de ter vendido uma dupla por 1,2 milhões de euros.

A prancha de 50 x 35 cm, desenhada a tinta-da-china e guache branco pelo cartoonista belga Hergé, mostra a personagem principal Tintin, a cadela Milou e o capitão Haddock, vestidos com roupa espacial, descobrindo as alegrias de caminhar em solo lunar e olhando para a "luz da Terra".

Estimava-se que a peça, que em si resume plenamente o título do álbum, fosse vendida entre os 700 mil e os 900 mil euros.

"Este é uma das pranchas mais importantes do pós-guerra, assim como os álbuns "Tintin no Tibete" e "As joias de Castafiore", saída de um álbum que se tornou mítico para imensos colecionadores e amantes da banda desenhada", argumentou o especialista em banda desenhada da leiloeira Artcurial, Eric Leroy.

Uma outra prancha original do álbum "Tintin - Explorando a Lua" deverá ser leiloada durante a tarde de hoje pela leiloeira Christie"s, em Paris.

No entanto, contrariamente à prancha vendida pela Artcurial, nessa não aparece Tintin nem nenhuma das outras personagens, estando a atenção focada nos veículos de emergência terrestres. Nesta prancha é possível ver o Ford Tudor Sedan (modelo de 1950), do diretor da base espacial, M. Baxter, de quatro ângulos diferentes. A peça tem 37 x 51 cm e estima-se que possa render entre 350 mil a 400 mil euros.

Hergé detém a maioria dos recordes de vendas para os originais de banda desenhada.

Já neste ano, a Artcurial tinha conseguido vender uma prancha dupla original do álbum "O ceptro de Ottokar", a oitava das aventuras de Tintin, por 1,2 milhões de euros, acima das expectativas da leiloeira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.