Portugal tem 19 escritores na corrida ao Prémio Oceanos

31 brasileiros, um único africano, Pepetela, e 19 portugueses preenchem a lista dos semifinalistas ao galardão de língua portuguesa.

Na primeira vez em que o Prémio Oceanos - Prémio de Literatura em Língua Portuguesa se abriu a todo o universo lusófono, aceitando obras de qualquer país, as editoras responderam e apresentaram 1251 obras a concurso, entre poesia, romance, contos, crónicas ou teatro, todos eles publicados em 2016.

Os curadores do prémio Selma Caetano e Manuel da Costa Pinto, do Brasil, e Ana Sousa Dias, de Portugal, nomearam então 65 nomes ligados às letras para elegerem os 50 semifinalistas ao prémio promovido pelo Fundo de Fomento Cultural Português e pelo instituto brasileiro Itaú Cultural. Entre os três angolanos, 50 brasileiros, três moçambicanos e nove portugueses que leram as obras, contam-se a poeta angolana Ana Paula Tavares, o escritor português Gonçalo M. Tavares, o poeta brasileiro Eucanaã Ferraz, Luís Carlos Patraquim, poeta, escritor e dramaturgo moçambicano, ou Christian Schwartz, tradutor e crítico literário brasileiro.

Os semifinalistas acabariam por ser, afinal, 61 - devido a um empate - e neles, hoje conhecidos, incluem- -se os portugueses Adília Lopes, com Bandolim, Afonso Cruz, com Nem Todas as Baleias Voam, ou Mário de Carvalho, com o livro de contos Ronda das Mil Belas em Frol. Em África, um só nome: o angolano Pepetela, com Se o Passado não Tivesse Asas. O Brasil chega à lista de semifinalistas com 31 nomes. Entre eles, Adriana Lisboa, que assina O Sucesso, e venceu a terceira edição do Prémio José Saramago, Bernardo Carvalho, com Simpatia pelo Demônio, ou Martha Batalha, com A Vida Invisível de Eurídice Gusmão.

José Luís Peixoto foi o vencedor da edição passada, a segunda, com Galveias. Neste ano, com um primeiro prémio de cem mil reais (26,8 mil euros), estarão a concurso 20 livros de escritores que nunca foram publicados em Portugal, e 11 nunca publicados no Brasil. Entre as obras, apenas dois livros tiveram publicação tanto no Brasil como em Portugal no ano passado: Se o Passado não Tivesse Asas, do angolano Pepetela (Dom Quixote e pela Leya Brasil), e A Vida Invisível de Eurídice Gusmão, da brasileira Martha Batalha (Companhia das Letras e Porto Editora).

Além da promoção do intercâmbio editorial no mundo lusófono, Eduardo Saron, diretor do instituto Itaú Cultural, lembra que um prémio desta dimensão é capaz de promover a leitura em lugares onde esta é escassa. "Num país como o Brasil, onde o índice de leitores é baixo, e acreditamos que assim seja em alguns dos países do continente africano, é importante contribuir para o incentivo à leitura e o intercâmbio da produção literária entre os falantes do português", lê-se no comunicado divulgado.

Ana Margarida de Carvalho, Ana Teresa Pereira, António Osório, Fernando Pinto do Amaral, Filipa Leal, Helder Moura Pereira, Inês Lourenço, Isabel Rio Novo, Jaime Rocha, João Luís Barreto Guimarães, João Ricardo Pedro, Lídia Jorge, Maria Teresa Horta, Raquel Nobre Guerra, Ricardo Fonseca Mota e Rui Lage completam a lista de autores portugueses semifinalistas.

Exclusivos

Premium

Betinho

"NBA? Havia campos que tinham baldes para os jogadores vomitarem"

Nasceu em Cabo Verde (a 2 de maio de 1985), país que deixou aos 16 anos para jogar basquetebol no Barreirense. O talento levou-o até bem perto da NBA, mas foi em Espanha, Andorra e Itália que fez carreira antes de regressar ao Benfica para "festejar no fim". Internacional português desde os Sub-20, disse adeus há seleção há apenas uns meses, para se concentrar na carreira. Tem 34 anos e quer jogar mais três ou quatro ao mais alto nível.