Porto Editora quer publicar mais obras de Svetlana Alexievich

Aposta feita na publicação de "O fim do homem soviético" foi por de ter sido apontado em 2013, em França, como o Melhor Livro Estrangeiro.

O editor Manuel Alberto Valente, da Porto Editora, que chancela "O fim do homem soviético", de Svetlana Alexievich, quer publicar outras obras da autora, distinguida hoje com o Prémio Nobel da Literatura. "Já hoje entrámos em contacto com a agente dela, e irei em breve partir para a Feira do Livro de Frankfurt, onde conto fechar contrato para publicar mais dois ou três títulos", disse à Lusa Manuel Alberto Valente.

O editor afirmou que desconhecia a autora, e a aposta que fez na publicação de "O fim do homem soviético" foi pelo facto de ter sido apontado em 2013, em França, como o Melhor Livro Estrangeiro daquele ano, e a maneira "entusiasmante" como a ele se referiu a imprensa francesa. "Fiquei absolutamente convencido de que estávamos diante de uma obra que tinha de ser publicada em Portugal", disse. A leitura, posteriormente, em português, "veio a confirmar a importância da publicação da obra". Traduzida diretamente do russo por António Pescada, foi publicada este ano pela Porto Editora, com o título "O fim do homem soviético".

Referindo-se a esta obra, Manuel Alberto Valente realçou que "há nela sobretudo uma análise sobre o perfil do homem russo". "Todos nos convencemos que, com a queda do império soviético, haveria da parte do povo um sentimento satisfação pela conquista da liberdade, pelo fim de um regime ditatorial, e o que ela reflete neste livro, através de centenas de testemunhos, é que não foi isso que aconteceu".

"Houve, antes, um grande desencanto no povo russo, e uma espécie de saudade dos tempos gloriosos em que a Rússia era de facto um grande império universal, e isso explica - como ela mostra perfeitamente -, o recrudescimento, entre os jovens, de um grande culto de Estaline, e de uma grande ambição de que a Rússia pudesse voltar a ser o espaço geográfico determinante no mundo", disse. Para o editor, esta observação "explica muito o que está hoje a acontecer com [Vladimir] Putin".

Svetlana Alexievich é a primeira jornalista mulher a ser distinguida com o Nobel da Literatura e receberá o galardão, no valor de 860 mil euros, a 10 de dezembro, em Estocolmo. Nascida sob bandeira soviética, em Ivano-Frankovsk, na Ucrânia, Svetlana Alexievich é filha de um militar bielorrusso e mãe ucraniana. Entre 1967 e 1972, a autora estudou jornalismo na Universidade de Minsk.

Os seus livros estão traduzidos em 22 línguas e alguns foram já adaptados para cinema e teatro.

Em 2013 foi distinguida com o Prémio Médicis Ensaio pela obra "O fim do homem soviético", que encerra uma série de cinco volumes intitulada "Vozes da utopia", na qual aborda a ex-União Soviética e a sua queda, numa perspetiva individual.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.