Popular sim, porque não?

QUO VADO OU JÁ FOSTE!, Gennario Nunziante

Crónica de um bom malandro italiano, o típico "chico-esperto" latino que toda a sua vida sonhou ser funcionário público e viver à sombra da bananeira. Checco só quer viver com os pais, nunca mudar de emprego e namorar até sempre sem ter de casar. Mas com mudanças governamentais que afetam o sector estatal italiano, é obrigado a tomar uma decisão: ou larga o emprego "preguiçoso" ou será colocado bem longe da sua terra natal.

O filme é mais afável do que à primeira vista parecia e tem um ator (que é também autor), Checco Zalone, com um domínio perfeito dos tempos de comédia e um charme de "velha escola" cómica. Tudo aqui é genuíno trabalho de comediante. A dada altura, percebe-se bem porque Zalone é o "ai-Jesus" da comédia italiana.

Quo Vado sabe ampliar perfeitamente as regras da sátira social, aqui sempre sintonizadas com o "estado das coisas" desta Itália pós-Berlusconi.

O triunfo de um filme destes serve para percebermos que o cinema europeu consegue ainda encontrar fórmulas internas para combater as propostas de comédia de Hollywood, cada vez mais medíocres...Por cá, ficamos com inveja...

Classificação: *** Bom

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".