Apanharam o homem que levou o Óscar de Frances McDormand

Homem de 47 anos foi detido. O prémio foi devolvido à atriz

O responsável pelo desaparecimento do Óscar da atriz Frances McDormand, durante a festa oficial da Academia de Hollywood, após a entrega dos prémios, no domingo, foi detido pela Polícia de Los Angeles, anunciou esta segunda-feira a força de segurança.

A porta-voz do Departamento de Polícia de Los Angeles, Rosario Herrera, anunciou ter sido detido um homem de 47 anos, de nome Terry Bryant, pelo desaparecimento do Óscar de Frances McDormand, ocorrido no domingo, após a realização da cerimónia.

O representante da atriz, Simon Halls, confirmou entretanto a devolução do prémio à atriz poucos minutos depois do desaparecuimento.

"Após uma breve separação, Frances e Óscar estão de novo juntos, felizes e a celebrar o reencontro com um 'cheeseburger' do In-N-Out", disse Simon Halls à Associated Press.

O Óscar de Melhor Atriz, conquistado por McDormand, pelo desempenho no filme "Três cartazes à beira da Estrada", foi levado do Teatro Dolby por um homem de "meia idade", após a entrega dos galardões, quando ocorria a festa da Academia, segundo testemunhos recolhidos por diferentes órgãos de comunicação social, no local.

McDormand celebrava a conquista do prémio, quando deu conta do desaparecimento da estatueta, que já tinha o seu nome gravado na base.

A intérprete, acompanhada pelo marido, o cineasta Joel Coen, procurou o Óscar por todo o edifício, sem o conseguir encontrar, segundo as agências internacionais.

O representante da atriz disse à Associated Press que o Óscar foi devolvido hoje de manhã a McDormand, por agentes de segurança.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.