Pode não haver Nobel da Literatura também em 2019

Não há garantia de em 2019 haver a atribuição do Prémio Nobel da Literatura. É o que diz o diretor executivo da Fundação Nobel.

Os escândalos que abalaram o comité da Academia Sueca responsável pela atribuição do Prémio Nobel da Literatura fizeram mais estragos dos que terem anulado a escolha de um escritor para receber o galardão este ano. Ontem, o diretor executivo da Fundação Nobel, Lars Heikensten, admitiu que o mesmo poderá acontecer em 2019.

Para Lars Heikensten é necessário que a Academia volte a ter credibilidade e para tal acontecer é necessário mais tempo. Foi o que afirmou ao revelar que "o Prémio só será entregue quando a Academia Sueca voltar a ter a confiança e para isso é necessário mais tempo para que o processo de escolha seja o correto".

No decurso destas afirmações, Lars Heikensten considera, em declarações à Rádio Sueca, que "2019 não é a data limite" e que pode demorar mais do que o previsto a escolha de um escritor para receber o mais importante prémio literário do mundo.

O escândalo que atinge o júri relativo à escolha do Prémio da Literatura teve início em novembro quando o jornal Dagens Nyheter publicou várias denúncias de 18 mulheres que alegam ter sido assediadas e abusadas sexualmente pelo marido de um dos elementos do júri, na sequência das denúncias da campanha #MeToo campaign. Seis membros demitiram-se no seguimento e a própria secretária Sara Danius o fez, eliminando o quorum necessário para que o júri funcione.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.