Pintura "Sibila" de Velázquez vai ser exibida no Museu Nacional de Arte Antiga

A pintura "Sibila", do artista espanhol Diego Velázquez (1599-1660), vai ser exposta no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), em Lisboa, a partir de 28 de setembro, no âmbito da abertura da Mostra Espanha 2017, foi hoje anunciado.

O óleo sobre tela, criado em 1632, proveniente do Museu Nacional do Prado, em Madrid, vai ficar patente na Galeria de Pintura Europeia do MNAA, no âmbito do Ciclo de Obras convidadas, de acordo com um comunicado desta entidade.

Diego Rodríguez de Silva y Velázquez, um dos grandes mestres da pintura espanhola, cuja ascendência paterna era portuguesa, foi o principal artista da corte do rei Filipe IV de Espanha, e destacou-se no período barroco pelos seus retratos.

"Sibilia", da coleção do museu madrileno

"Sibila", óleo sobre tela de 62 por 50 centímetros, foi realizado pouco depois do regresso do pintor da sua primeira viagem a Itália.

A obra representa uma mulher jovem, de perfil, olhando em frente e carregando no seu braço esquerdo uma tábua ou tela, como se estivesse a escrever ou a pintar.

Os especialistas já tentaram identificar a retratada - e alguns deles levantaram a hipótese, sem fundamento real -- como sendo a esposa do pintor.

No entanto, pela pose e gesto, foi identificada como sendo uma das sibilas, personagens da mitologia greco-romana às quais eram atribuídas capacidades adivinhatórias, e que a tradição cristã assimilou como profetisas pagãs do nascimento de Cristo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.