Pintura "Sibila" de Velázquez vai ser exibida no Museu Nacional de Arte Antiga

A pintura "Sibila", do artista espanhol Diego Velázquez (1599-1660), vai ser exposta no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), em Lisboa, a partir de 28 de setembro, no âmbito da abertura da Mostra Espanha 2017, foi hoje anunciado.

O óleo sobre tela, criado em 1632, proveniente do Museu Nacional do Prado, em Madrid, vai ficar patente na Galeria de Pintura Europeia do MNAA, no âmbito do Ciclo de Obras convidadas, de acordo com um comunicado desta entidade.

Diego Rodríguez de Silva y Velázquez, um dos grandes mestres da pintura espanhola, cuja ascendência paterna era portuguesa, foi o principal artista da corte do rei Filipe IV de Espanha, e destacou-se no período barroco pelos seus retratos.

"Sibilia", da coleção do museu madrileno

"Sibila", óleo sobre tela de 62 por 50 centímetros, foi realizado pouco depois do regresso do pintor da sua primeira viagem a Itália.

A obra representa uma mulher jovem, de perfil, olhando em frente e carregando no seu braço esquerdo uma tábua ou tela, como se estivesse a escrever ou a pintar.

Os especialistas já tentaram identificar a retratada - e alguns deles levantaram a hipótese, sem fundamento real -- como sendo a esposa do pintor.

No entanto, pela pose e gesto, foi identificada como sendo uma das sibilas, personagens da mitologia greco-romana às quais eram atribuídas capacidades adivinhatórias, e que a tradição cristã assimilou como profetisas pagãs do nascimento de Cristo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.