Pintura "Sibila" de Velázquez vai ser exibida no Museu Nacional de Arte Antiga

A pintura "Sibila", do artista espanhol Diego Velázquez (1599-1660), vai ser exposta no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA), em Lisboa, a partir de 28 de setembro, no âmbito da abertura da Mostra Espanha 2017, foi hoje anunciado.

O óleo sobre tela, criado em 1632, proveniente do Museu Nacional do Prado, em Madrid, vai ficar patente na Galeria de Pintura Europeia do MNAA, no âmbito do Ciclo de Obras convidadas, de acordo com um comunicado desta entidade.

Diego Rodríguez de Silva y Velázquez, um dos grandes mestres da pintura espanhola, cuja ascendência paterna era portuguesa, foi o principal artista da corte do rei Filipe IV de Espanha, e destacou-se no período barroco pelos seus retratos.

"Sibilia", da coleção do museu madrileno

"Sibila", óleo sobre tela de 62 por 50 centímetros, foi realizado pouco depois do regresso do pintor da sua primeira viagem a Itália.

A obra representa uma mulher jovem, de perfil, olhando em frente e carregando no seu braço esquerdo uma tábua ou tela, como se estivesse a escrever ou a pintar.

Os especialistas já tentaram identificar a retratada - e alguns deles levantaram a hipótese, sem fundamento real -- como sendo a esposa do pintor.

No entanto, pela pose e gesto, foi identificada como sendo uma das sibilas, personagens da mitologia greco-romana às quais eram atribuídas capacidades adivinhatórias, e que a tradição cristã assimilou como profetisas pagãs do nascimento de Cristo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.