Pintora Graça Morais entre os "expulsos" pela pressão turística de Lisboa

Há três anos que não consegue trabalhar no seu ateliê devido ao que diz ser o "caos" em que se transformou toda aquela zona, que "está a ser vendida, porque há uma grande procura das zonas mais apetecíveis da cidade".

Há três anos que a pintora Graça Morais foi obrigada a deixar o espaço de criação de toda a vida, em Lisboa, empurrada pelas "obras gigantescas" que a fazem sentir entre os "expulsos" pela pressão turística e imobiliária da capital.

O ateliê de há 30 anos, na Costa do Castelo, é propriedade da pintora, porém teve de arrendar um espaço mais pequeno noutra zona, porque há três anos que não pode trabalhar lá devido ao que considera o "caos" em que se transformou toda aquela zona, que "está a ser vendida, porque há uma grande procura das zonas mais apetecíveis da cidade".

"Mas é a procura por pessoas que têm muito dinheiro ou por coisas mais graves, que são os fundos de investimento que não têm rosto", disse Graça Morais em entrevista à Lusa, por ocasião das comemorações dos dez anos do Centro de Arte Contemporânea (CAC), com o seu nome, em Bragança.

Graça Morais é transmontana, natural da aldeia do Vieiro, Vila Flor, onde tem um ateliê e, nos últimos anos, presença assídua na cidade de Bragança, no CAC, que a faz pensar em, no futuro, passar mais tempo nesta zona.

Aos 70 anos constata que, em Lisboa, onde fez carreira, "de repente tudo se transforma".

"Nessa zona do castelo não ouço falar praticamente português, só ouço falar outras línguas. Acho muito bem que os estrangeiros nos procurem, mas de repente é uma mudança tão grande", observa a artista.

Durante 30 anos, muitas das obras de Graça Morais nasceram no ateliê, numa zona de Lisboa onde "as pessoas se encontravam nos cafés, na rua, às vezes de chinelos e de robe, a pendurar roupa".

"De repente, sentir que as pessoas são obrigadas a ir embora porque o senhorio, se elas não compram ou se não podem pagar as rendas mais caras são postas fora, isso acontece não só a pessoas velhas e que ganham pouco, acontece a pessoas da minha classe", afirmou.

O ateliê continua a ser dela, não vai cedê-lo, garante, contudo acabou também "expulsa".

"A dificuldade que eu tenho em ir para o meu ateliê é a dificuldade que se tem quando se tem muitas obras [de construção civil] ao lado. É que são obras gigantescas, que se prolongam no tempo e, ao mesmo tempo, geram o caos na rua onde são feitas", explicou.

A pintora teve de "arranjar outro espaço pequenino noutro lado", onde preparou 80 desenhos e pinturas inéditos que vão ser expostos, pela primeira vez, em Bragança, para assinalar os dez anos do CAC.

Estes trabalhos, como contou à Lusa, "são feitos numa grande solidão, numa grande reflexão sobre o que se está a passar na cidade de Lisboa e o que se está a passar no mundo".

"Em Lisboa, o que se sente é que, por um lado, há uma grande alegria que é quase forçada, há espetáculos por todo o lado, há um imaginar que se vive uma grande felicidade, que as pessoas têm tudo. E, ao mesmo tempo, se observamos com muita atenção, há milhares de excluídos que estão a ser expulsos da cidade e que são sempre os mais pobres, os velhos, os que não podem lutar contra o senhorio que quer ganhar dinheiro", observou.

Ao mesmo tempo, quando visita Trás-os-Montes e anda pela aldeia, sente "que há um vazio, que as aldeias estão a ficar sem pessoas, sem crianças", e tudo isto a "inquieta como artista e como mulher, como pessoa".

Destes "tempos inquietantes", refere também outros dramas que não a deixam ser feliz ao ver as notícias, "em que há crianças que são presas [separadas dos pais], em que há seres humanos que andam pelo mundo à procura de um lugar onde sejam felizes, que são os refugiados".

"É aflitivo ver um barco à deriva sem nenhum líder da Europa se prontificar a recebê-los", apontou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...