Pilar del Rio é a vencedora do Prémio Luso-Espanhol de Arte e Cultura

O prémio reconhece de dois em dois anos a obra de um criador no âmbito da arte e da cultura

A jornalista Pilar del Rio é a vencedora do Prémio Luso-Espanhol de Arte e Cultura 2016, pelo seu trabalho "como fundadora e presidente da Fundação José Saramago, dedicada à defesa dos Direitos Humanos", anunciou o Ministério da Cultura

O prémio, atribuído pelos governos de Portugal e de Espanha, no valor de 75.000 euros, reconhece, com caráter bienal, a obra de um criador no âmbito da arte e da cultura, que fomente a comunicação e cooperação cultural entre os dois países.

Pilar del Río é ainda distinguida pela "promoção da literatura portuguesa e ao intercâmbio da cultura portuguesa, espanhola e latino-americana", sustenta o júri.

"Na sua própria pessoa e na Fundação que dirige se encarna o espírito e os valores da fraternidade luso-espanhola", lê-se na nota de imprensa.

Nascida em Sevilha, em 1950, Pilar del Rio foi jornalista e tradutora, em particular das obras do escritor José Saramago, com quem viveu desde os anos 1980. Atualmente preside à Fundação José Saramago.

O júri foi constituído por Ana Santos Aramburo (diretora da Biblioteca Nacional de Espanha), José Pascual Marco Martinez (diretor-geral de Política e Indústrias Culturais e do Livro) e Juan Cruz Ruiz (escritor e jornalista), pela parte espanhola, e por João Fernandes (subdiretor do Museu Nacional Centro de Arte Rainha Sofia), José Bragança de Miranda (professor universitário) e Nuno Júdice (escritor e poeta), pela parte portuguesa.

O Prémio Luso-Espanhol de Arte e Cultura, de caráter bienal, foi criado em 2006 pelos governos de Portugal e Espanha para reconhecer o trabalho de um autor ou entidade que "tenha contribuído significativamente para o reforço dos laços entre os dois Estados e para um maior conhecimento recíproco da criação ou do pensamento".

Nas edições anteriores foram distinguidos o escritor e tradutor José Bento, o professor Perfecto Cuadrado, o arquiteto Álvaro Siza Vieira, o realizador Carlos Saura e a escritora Lídia Jorge.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.