Pilar del Rio é a vencedora do Prémio Luso-Espanhol de Arte e Cultura

O prémio reconhece de dois em dois anos a obra de um criador no âmbito da arte e da cultura

A jornalista Pilar del Rio é a vencedora do Prémio Luso-Espanhol de Arte e Cultura 2016, pelo seu trabalho "como fundadora e presidente da Fundação José Saramago, dedicada à defesa dos Direitos Humanos", anunciou o Ministério da Cultura

O prémio, atribuído pelos governos de Portugal e de Espanha, no valor de 75.000 euros, reconhece, com caráter bienal, a obra de um criador no âmbito da arte e da cultura, que fomente a comunicação e cooperação cultural entre os dois países.

Pilar del Río é ainda distinguida pela "promoção da literatura portuguesa e ao intercâmbio da cultura portuguesa, espanhola e latino-americana", sustenta o júri.

"Na sua própria pessoa e na Fundação que dirige se encarna o espírito e os valores da fraternidade luso-espanhola", lê-se na nota de imprensa.

Nascida em Sevilha, em 1950, Pilar del Rio foi jornalista e tradutora, em particular das obras do escritor José Saramago, com quem viveu desde os anos 1980. Atualmente preside à Fundação José Saramago.

O júri foi constituído por Ana Santos Aramburo (diretora da Biblioteca Nacional de Espanha), José Pascual Marco Martinez (diretor-geral de Política e Indústrias Culturais e do Livro) e Juan Cruz Ruiz (escritor e jornalista), pela parte espanhola, e por João Fernandes (subdiretor do Museu Nacional Centro de Arte Rainha Sofia), José Bragança de Miranda (professor universitário) e Nuno Júdice (escritor e poeta), pela parte portuguesa.

O Prémio Luso-Espanhol de Arte e Cultura, de caráter bienal, foi criado em 2006 pelos governos de Portugal e Espanha para reconhecer o trabalho de um autor ou entidade que "tenha contribuído significativamente para o reforço dos laços entre os dois Estados e para um maior conhecimento recíproco da criação ou do pensamento".

Nas edições anteriores foram distinguidos o escritor e tradutor José Bento, o professor Perfecto Cuadrado, o arquiteto Álvaro Siza Vieira, o realizador Carlos Saura e a escritora Lídia Jorge.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.