Peter Greenaway em Lisboa

O realizador britânico Peter Greenaway e o artista visual português Daniel Blaufuks estão entre os convidados de uma escola de verão sobre cultura visual da Universidade Católica.

Esta será a sexta edição da Lisbon Summer School, para estudantes de doutoramento de ciências sociais, portugueses e estrangeiros, e que inclui apresentação de reflexões, estudos, masterclasses e exibição de filmes ao longo de uma semana.

"É um momento de ter contacto com bibliografia ao vivo, com alguns dos nomes mais relevantes da produção do conhecimento científico sobre cultura visual", explicou Isabel Capeloa Gil, diretora do programa e vice-reitora da UCP, à agência Lusa.

Esta escola de verão, que contará com a participação de quase uma centena de estudantes e investigadores de mais de vinte países, é dedicada ao tema da "transvisualidade".

"Ou seja, é sobre a forma como as imagens circulam e têm impacto sobre a construção do social", explicou a docente.

Entre os trabalhos académicos que foram submetidos a concurso há reflexões sobre a perceção do real, sobre a relação entre imagem e questões de género e também sobre migrações e a contrução de uma narrativa visual sobre conflitos.

Nesta sexta edição, entre os convidados estão o cineasta Peter Greenaway, que nos últimos anos tem participado em encontros internacionais para falar sobre novas linguagens e desafios da prática cinematográfica, o artista visual Daniel Blaufuks, o professor brasileiro Norval Baitello Junior, o teórico norte-americano Nicholas Mirzoeff, da Universidade de Nova Iorque, e Claudia Benthien, da Universidade de Hamburgo.

A "Lisbon Summer School" é uma iniciativa do Consórcio de Lisboa, o programa internacional de mestrado e doutoramento em Estudos de Cultura da UCP, que pretende "dar visibilidade à diversidade cultural de Lisboa através de estudos académicos", sublinhou Isabel Capeloa Gil.

Até 02 de julho, o programa desta escola de verão irá dividir-se entre aos auditórios da Universidade Católica Portuguesa, Fundação Calouste Gulbenkian, Oceanário de Lisboa, Casa das Histórias - Paula Rego, em Cascais, Teatro Municipal São Luiz, Instituto Goethe e Espaço Novo Banco.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?