Paul McCartney triste com morte de "segundo pai"

O ex-Beatle elogia George Martin, que foi o produtor responsável pelo sucesso do grupo.

George Martin era "um cavalheiro e como um segundo pai", reagiu hoje o músico Paul McCartney ao anúncio da morte do lendário produtor dos Beatles.

"Ele guiou a carreira dos Beatles com um tal talento e um tal bom humor que se tornou um verdadeiro amigo para mim e para a minha família", adiantou o ex-Beatle na sua página na Internet.

A morte do produtor musical britânico George Martin, aos 90 anos, foi anunciada hoje pela sua família. Depois de ter juntado John Lennon, Paul McCartney, George Harrison e Ringo Starr, o produtor musical da banda ficou conhecido como o "quinto Beatle".

"Desde o dia em que conseguiu o primeiro contrato de gravação para os Beatles até à última vez em que o vi, foi a pessoa mais generosa, inteligente e musical que conheci", escreveu o cantor/compositor, declarando-se "muito triste".

McCartney recordou a decisão de Martin de juntar um quarteto de cordas no single "Yesterday" e a sua diplomacia em conseguir o acordo da banda.

"O mundo perdeu um verdadeiro grande homem que deixou uma marca indestrutível na minha alma e na história da música britânica", adiantou.

Os icónicos estúdios Abbey Road, onde Martin e a banda trabalharam, divulgaram um comunicado exprimindo "sentidas condolências" à família do produtor.

"'Sir' George transformou a gravação de música com o seu talento criativo, inovação e paixão", indicaram, declarando o seu compromisso "em assegurar que o legado visionário" do produtor "viva para sempre no Abbey Road Studios".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.