Paul McCartney torna-se realidade virtual numa nova aplicação

Paul McCartney é um dos primeiros artistas de música a abraçar a realidade vitual através de uma aplicação grátis.

Paul McCartney pode ser um "old rocker", mas isso não significa que não se encaixe nas mais recentes tecnologias. McCartney, com a colaboração de Jaunt, acaba de lançar uma nova aplicação onde os utilizadores podem vê-lo cantar "Live and Let Die", como se estivessem no palco com ele.

A aplicação dá-lhe uma visão pessoal, mais de perto e de 360 graus,do espetáculo filmado no CandlestickPark, em San Francisco, durante o último concerto a14 de agosto de 2014.

Esta foi a primeira experiência de realidade virtual cinematográfica feita por Jaunt. O espetáculo foi filmado com câmeras estereoscópicas 3-D e som de microfones de campo 3-D, permitindo assim assistir à performance de McCartney como se estivesse na plateia, no palco, nos bastidores ou sentados ao lado dele no piano.

"É como se nunca tivesse ouvido, visto ou sentido algo assim", diz Jaunt, co-fundador e chefe executivo de Jens Christensen.

A aplicação gratuita está disponível através do GooglePlay para utilizadores do Android ou para aqueles que dominem o Google Cardboard.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.