Pátio das Cantigas é o filme português mais visto de sempre

O remake do clássico português dos anos 40, assinado pelo realizador Leonel Vieira, quase chegou aos 400 mil espetadores na noite de sábado

Bastaram 24 dias para O Pátio da Cantigas garantir o título de filme português mais visto de sempre. Na noite de sábado, 22 de agosto, o filme, realizado por Leonel Vieira e protagonizado por Miguel Guilherme e César Mourão, chegou aos 392 mil espetadores, destronando O Crime do Padre Amaro, de 2005. (que com 380 mil espetadores era o mais visto nas salas de cinema).

Com Miguel Guilherme e César Mourão nos papéis originalmente interpretador por António Silva e Vasco Santana, esta nova versão, que estreou a 30 de julho, é a primeira de três homenagens de Leonel Vieira aos clássicos do cinema português e baseia-se no filme de Francisco Ribeiro (Ribeirinho), realizado em 1942. No Natal deverá chegar O Leão da Estrela e em 2016 A Canção de Lisboa.

O sucesso registou-se, também, nas receitas de bilheteira, que ultrapassaram este fim-de-semana os 2 milhões de euros - sendo o "Pátio das Cantigas " o filme português que mais gerou receita de bilheteira, de acordo com o Instituto do Cinema e Audiovisual.

Dânia Neto, Sara Matos, Rui Unas, Aldo Lima, José Pedro Vasconcelos, Oceana Basílio, Manuel Marques são outros dos atores que fazem parte deste novo O Pátio das Cantigas, que não foi muito bem recebeido por toda a crítica.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?