Pai de Michael Jackson morre aos 89 anos

O patriarca da família Jackson não resistiu a um cancro no pâncreas

Joe Jackson, pai dos cantores Michael e Janet Jackson, morreu esta manhã em Los Angeles, aos 89 anos, vítima de um cancro no pâncreas, segundo noticia o site TMZ .

O patriarca da família Jackson estava internado desde o início de junho e lutava contra um cancro em fase terminal e outros problemas de saúde.

Em 2015 ele sofreu um derrame e três ataques cardíacos, tendo implantado um pacemaker. Um ano depois, voltou a ser internado com queixas de febre alta.

O patriarca Jackson vivia nos últimos anos uma relação problemática com os filhos, que o acusavam de violência.

Segundo o TMZ , Joe foi muito criticado por ter tentado fazer dinheiro com a morte do filho Michael.

Recorde-se que o Joe teve 10 filhos, fruto da sua relação com Katherine, com quem foi casado durante mais de 60 anos.

Este foi o último tweet do homem que geriu, sozinho, primeiro a carreira dos Jackson Five - um grupo musical de R&B e Soul dos Estados Unidos, surgido em 1964, composto numa primeira versão pelos filhos Michael Jackson, Jackie, Tito, Jermaine e Marlon e posteriormente incluindo Randy - e depois as de Michael e Janet Jackson a solo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".