Paddington é o filme mais visto

A comédia familiar Paddington foi o filme mais visto este fim de semana, liderando a tabela do Box-office nacional, com 35 mil espetadores e uma receita de 172 mil euros

Do mesmo produtor de Harry Potter e Gravidade, Paddington conta, na versão portuguesa, com as vozes do humorista Luís Franco-Bastos, que dá vida ao protagonista, o urso Paddington, de Ana Guiomar, que dobra a atriz Nicole Kidman no papel de Millicent, uma sinistra embalsamadora de animais que persegue Paddington, e de António Machado como MrCurry, o excêntrico vizinho dos Brown, família que adota o famoso urso.

Paddington estreou em Portugal a 12 de março, em parceria com a União Zoófila, a REFER e a CP, e foi o filme mais visto deste fim de semana. Em segundo lugar do ranking está o filme Focus, com Will Smith, com 28 mil espetadores e, logo de seguida, As Cinquenta Sombras de Grey continua no pódio, com cerca de 18 mil espetadores.

A comédia britânica sobre o urso mais famoso do Reino Unido é produzida por David Heyman, da saga Harry Potter - o franchise cinematográfico melhor sucedido de sempre - e de Gravidade - vencedor de 7 Óscares -, e retrata as desventuras de um jovem e desastrado urso peruano que viaja para Londres à procura de uma casa. Encontrando-se perdido e sozinho na estação de comboios de Paddington, o urso começa a temer que a vida na cidade não seja como tinha imaginado... Até que conhece a família Brown que, ao ler a etiqueta pendurada no seu pescoço - "Por favor, cuide deste urso. Obrigado." - adota Paddington, dando-lhe chá, teto, um nome e uma família.

O filme é baseado na célebre personagem dos livros de aventuras do autor britânico Michael Bond, a partir de um guião original do cineasta Paul King (Bunny and the Bull), com produção da Heyday Films e StudioCanal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...