Pablo Neruda terá sido assassinado

Nova biografia do Nobel aponta "intervenção de terceiros" com base em documentos oficiais

O poeta e Nobel da Literatura Pablo Neruda morreu a 23 de setembro de 1973 às dez e meia da noite na Clínica Santa Maria em Santiago do Chile. Durante décadas foi apontada como causa oficial de morte o agravamento do estado de saúde devido a um cancro na próstata. Agora um relatório oficial, do Ministério do Interior do governo do Chile, diz claramente que Neruda foi assassinado. Ou que morreu fruto de intervenção de terceiros.

O texto indica que a morte do poeta não decorreu do cancro de que padecia mas foi "claramente possível e altamente provável da intervenção de terceiros." Segundo refere o processo agora divulgado, no dia da sua morte Neruda recebeu uma injeção ou ingeriu algo que precipitou a sua morte, seis horas e meia depois. Nesse dia o Nobel deveria partir de avião rumo ao México onde provavelmente iria liderar um governo, a partir do exílio, para denunciar a atuação do general Augusto Pinochet. Estes e outros dados foram enviados ao magistrado encarregado de investigar a morte do Nobel, Mario Carroza Espinosa, e são agora tornados públicos na mais recente biografia de Pablo Neruda, da autoria de Mario Amorós, que será publicada para a semana em Espanha e no dia 23 no Chile: Neruda. El príncipe de los poetas.

Ao El Pais o magistrado referiu: "Sempre seguimos a linha de que aconteceu algo estranho nos últimos dias. Neruda tinha cancro mas não estava nem em agonia, nem em fase terminal. Mas a 23 de setembro o seu mau estado de saúde acelerou de repente e ele morreu em seis horas". No entanto, o juiz espera ainda o resultado do teste a uma bactéria encontrada no corpo do poeta. A investigação à morte de Neruda foi aberta em 2011 na sequência de uma denúncia de assassinato do motorista do Nobel. Foi pedida uma exumação do cadáver, que aconteceu em 2013. A investigação levada a cabo em 2013 não detetou agentes ou substâncias estranhas no corpo do poeta. No entanto "isso não significa que não tenha sido envenenado e que outra equipa com outra técnicas pode encontrar vestígios", acredita um médico forense contactado pelo diário espanhol.

Pablo Neruda morreu com 69 anos. Recebeu o Prémio Nobel da Literatura em 1971.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.