Os temas que Tony Carreira é acusado de plagiar

Ministério Público acusou o cantor de plagiar 11 canções de autores estrangeiros. Oiça alguns dos temas e compare

Tony Carreira foi acusado pelo Ministério Público (MP) de plagiar 11 músicas de autores de outros países, com a colaboração do compositor Ricardo Landum, que também é arguido.

O MP diz que "as obras descritas são exemplos da atividade ilícita do arguido Tony Carreira, o que resulta do confronto da obra genuína alheia com a obra supostamente criada pelo arguido".

A acusação diz que pelo menos desde 2012 e até à data os arguidos "têm vindo a dispor de composições musicais alheias" e, na internet, há muito que se fazem comparações entre os temas do cantor português e as versões originais da música.

Ouça aqui alguns dos temas que foram acusados de plágio e os respetivos originais.

Depois de ti mais nada (Tony Carreira)

Después de Ti... Qué? (Rudy Amado Perez)

Sonhos de menino (Tony Carreira)

L'idiot (Herve Vilard)

Se acordo e tu não estás (Tony Carreira)

Me muero (Pimpinela)

Adeus até um dia (Tony Carreira)

Tzigane (Frederic Francois)

Leva-me ao céu (Tony Carreira)

Suddenly you love me (The Tremloes)

Esta falta de ti (Tony Carreira)

Toi qui manque a ma vie (Natasha St-Pier)

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.