"Os Sete Magníficos" sem truques digitais

O filme de abertura do festival de Toronto teve o glam de estrelas como Denzel Washington e Chris Pratt. Estreia-se entre nós dia 22

Uma gala de abertura com um western com pretenções de blockbuster. O festival muda de tom em relação ao ano passado, em que abriu com um drama "delicado", Demolição, de Jean-Marc Valée, um falhanço comercial. Este ano a ideia é entreter e abrir o festival com um êxito seguro. E não haja dúvidas: Os Sete Magníficos, de Antoine Fuqua, será um sucesso de Hollywood evidente.

A melhor notícia é que cumpre bem a sua intenção: um entretenimento eficaz e com uma pedalada interessante.

Fuqua reúne um elenco com carisma, composto por estrelas como Denzel Washington, Ethan Hawke e Christ Pratt, e segue o filme original de John Sturges de 1960 (até parte da música é igual), que por sua vez já era uma versão de Os Sete Samurais, de Akira Kurosawa (1954). A recriação do espírito da história parece justa e honesta, mesmo se descontarmos todo o aparato de grande produção e afeição pelos efeitos bélicos.

O que vai deixar muita gente surpreendida é a ausência de efeitos visuais digitais e da piruetas fantasiosas que poderiam estar no caderno de encargos de uma modernização do chamado "western clássico". Este remake é moderadamente humorado e quase sempre pragmático. Por outras palavras, vai direto à nostalgia de uma "cowboiada" onde os maus são mesmo maus e os "bons" apenas bons malandros. Um puro recreio onde se reclama alguma puerilidade de género e onde ainda se consegue criar verdadeira tensão nos duelos.

Outra surpresa: os atores têm espaço para construir personagens. Ethan Hawke consegue convocar alguma ambiguidade no seu pistoleiro e Denzel Washington tem um divertido ar altivo, mas é Chris Pratt quem rouba todas as cenas. Claro que não nos matam as saudades de Steve McQueen ou Yul Breyner mas fazem pela vida. O bónus é mesmo o vilão de serviço, interpretado com um gozo quase decadente por Peter Sarsgaard, visto recentemente em Experimenter: Stanley Milgram, o Psicólogo Que Abalou a América, de Michael Almeyreda. Uma interpretação que nos lembra que é um dos grandes atores americanos da sua geração.

Em Toronto

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.