Os dias dos prodígios para Mário Cláudio na Escritaria

A literatura volta a ocupar a cidade, com lançamento de um romance inédito do escritor

Há pêssegos, couves e castanhas dentro das caixas da mercearia localizada na rua que desemboca no Largo da Nossa Senhora da Ajuda, onde uma placa bem visível anuncia Afixação Proibida. Ora é neste largo que muito da Escritaria, a festa da Literatura de Penafiel, acontece e por isso são poucos os que obedecem ao cartaz proibitivo aparafusado à parede da igreja nestes dias em que o escritor Mário Cláudio é o homenageado da 8.ª edição da iniciativa.

De quinta-feira até hoje, dia em que encerra a Escritaria, Mário Cláudio já por lá passou vezes incontáveis e viu o largo repleto de cartazes, faixas, caixotes de papelão com a reprodução do seu rosto e uma parte do texto do seu novo romance, lançado oficialmente na sexta-feira à noite naquela cidade. Inaugurou arte urbana, uma exposição sobre a sua vida em quadros e várias sobre a sua obra. Quem for curioso deve observar com atenção os cadernos Moleskine em que anota ideias para os livros porque perceberá melhor o processo de criação. Também poderá descobrir uma ou outra indiscrição que tenha anotado nos cadernos além das questões da construção da narrativa.

Se for mesmo curioso, o leitor tem a garantia de sair desta Escritaria a saber muito mais sobre o escritor Mário Cláudio, já que este fez questão de aceitar responder a tudo o que os leitores queriam saber. Foi assim nos múltiplos contactos de rua, bem como na apresentação de Astronomia, o tal novo romance, que é tão autobiográfico como mentiroso, porque assim foi descrito: "Um recetáculo de confissões e muitas mentiras." Esta palavra é de autoria do próprio, porque acha que escreveu muitas coisas no romance que podem vir de memórias falsas e não do que viveu exatamente ou reproduziu em centenas de páginas. Também não deixou de contar as razões das suas "cóleras homéricas" quando contrariado, nem de apontar o mau hálito como termómetro de se estar ou não apaixonado.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.