Os 10 momentos que fizeram rir e chorar nos Óscares

Não viu a cerimónia? Conheça aqui as histórias, as piadas, os discursos e os convidados especiais que marcaram os Óscares

Entre as piadas e os comentários mais incisivos acerca da falta de atores de cor nomeados, apelos à ação para prevenir as mudanças climáticas e prémios apresentados por desenhos animados, os Óscares de 2016 estiveram recheados de grandes momentos.

Chris Rock começa a noite sem pudores com #OscarsSoWhite

A conversa sobre a diversidade nos nomeados para os maiores prémios do cinema dominou o discurso nas semanas que se antecederam à cerimónia. Com o seu discurso de abertura, o apresentador Chris Rock deixou claro que não tencionava fugir à questão, com algumas passagens de humor negro que deixaram o público a rir com algum desconforto.

"Porque é que protestamos contra estes Óscares? São os 88.º Prémios da Academia. Ou seja, esta história de não haver nomeados negros já aconteceu pelo menos outras 71 vezes", disse Chris Rock. "E os negros não protestaram. Porquê? Porque tínhamos coisas sérias contra as quais protestar. Estávamos muito ocupados a ser violados e linchados para nos preocuparmos com quem ganhava melhor cinematografia".

Mas Chris Rock também não poupou alguns dos atores negros que chamaram a atenção para a falta de diversidade nos nomeados, como Jada Pinkett Smith, que tinha anunciado um boicote. "A Jada a boicotar os Óscares é tipo eu a boicotar as cuecas da Rihanna. Ninguém me convidou", brincou.

Comediantes negros ganham "papéis" em filmes de brancos

"Às vezes pode ser difícil para os atores negros conseguirem qualquer papel num filme", disse Chris Rock, antes de apresentar um sketch com os comediantes Tracy Morgan, Whoopi Goldberg e Leslie Jones editados para cenas icónicas de alguns dos filmes nomeados. "Diz alguma coisa", diz Goldberg a Jennifer Lawrence, numa cena do filme Joy. "Talvez um dia façam um filme sobre uma branca magrinha que inventou uma esfregona".

Convidados especiais: Minions e Toy Story apresentam prémios de animação

Quem melhor para falar de filmes de animação do que os bonecos que já venceram estes prémios? Buzz Lightyear e Woody apresentaram o prémio para a melhor longa-metragem de animação, vencido por Inside Out: DivertidaMente, da Pixar. Já os Mínimos, na sua linguagem inventada, premiaram a curta-metragem vencedora: Bear Story.

O discurso emocionado de Leonardo DiCaprio

Seis nomeações depois, DiCaprio leva para casa uma estatueta dourada. Mas o Melhor Ator da noite escolheu outro protagonista para o seu discurso de agradecimento: as alterações climáticas. "É a ameaça mais urgente que a nossa espécie enfrenta", afirmou, fazendo uma ponte para o filme que lhe valeu o prémio, O Renascido.

"Fazer O Renascido foi acerca da relação do Homem com o mundo natural, um mundo que todos sentimos em 2015 como o ano mais quente de que há registo. A nossa equipa de produção teve de ir para a ponta sul do planeta só para encontrar neve", declarou. "Não tomemos o nosso planeta por certo. Eu não tomo esta noite por certa".

Os droids de que estávamos à procura

Star Wars: O Despertar da Força não ganhou nenhum galardão nestas cerimónias (e só estava nomeado em categorias técnicas e banda sonora) mas foi um dos eventos cinematográficos que marcou 2015. Numa pequena homenagem, os clássicos robôs C3PO e R2D2 subiram ao palco acompanhados do mais novo BB-8, e não faltou a piada inevitável de que C3PO se parece com a estatueta do Óscar.

Foi dos robôs que o compositor John Williams ouviu um pequeno elogio: "Sempre adorei a sua música!". Nomeado por melhor banda sonora original, Williams passa a ser a pessoa mais nomeada de sempre nos Óscares: foi a 50.ª vez.

Spotlight lança apelo ao Papa

"Papa Francisco, está na hora de proteger as crianças e restaurar a fé", apelou o produtor Michael Sugar no discurso de agradecimento após o filme O Caso Spotlight ter recebido o maior galardão da noite. O Melhor Filme nos Óscares de 2016 conta a história dos jornalistas do Boston Globe que trabalharam para revelar um escândalo de pedofilia na igreja que teria repercussões mundiais. Nos agradecimentos, Sugar não poupou a igreja: "Este Óscar amplifica a voz [deste filme], que esperamos venha a tornar-se um coro que ecoe até ao Vaticano".

A co-produtora Blye Pagon Faust agradeceu ainda aos jornalistas. "Não estaríamos aqui hoje sem os esforços heroicos dos nossos repórteres", disse. No Instagram, a atriz Naomi Watts, mulher do ator Liev Schreiber, partilhou uma fotografia dos galardoados d'O Caso Spotlight.

Conselhos para lidar com a tristeza

O filme de animação Inside Out: DivertidaMente venceu o prémio da sua categoria com uma história de uma menina que aprende a lidar melhor com as suas emoções - personificadas em cinco pequenas criaturas que alternadamente a guiam e desorientam. No seu discurso de agradecimento, o realizador Pete Docter aconselhou as crianças e jovens a quem o filme se dirige.

"Vai haver dias em que te sentes triste, em que te sentes zangado, em que te sentes assustado", declarou. "Não tens opção nisso, mas podes fazer coisas: Fazer filmes, desenhar, escrever. Vai fazer imensa diferença".

Louis CK: "Este Óscar vai para casa num Honda Civic"

O comediante Louis CK, famoso pelo seu sentido de humor que deixa as pessoas desconfortáveis, apresentou o prémio de melhor curta documental com tanta graça que já há apelos para que apresente a cerimónia no próximo ano.

"Este é sem dúvida o meu prémio favorito", disse CK. "É mesmo, porque este é o único Óscar que vai mudar uma vida. Não me levem a mal, vocês chegaram aqui vencedores e sairão vencedores. Mas estas pessoas... Este Óscar vai para casa num Honda Civic. Este Óscar vai ser a melhor coisa que têm na vida. Vai dar-lhes ansiedade guardá-lo no apartamento rasca".

O prémio foi para A Girl in the River: The Price of Forgiveness, que impulsionou a alteração da legislação paquistanesa acerca dos "crimes de honra".

O poderoso hino de Lady Gaga

O prémio foi para Spectre, interpretado por Sam Smith, mas toda a gente está a falar da atuação de Lady Gaga na cerimónia dos Óscares. Apresentada pelo vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, a cantora interpretou Til It Happens to You, do documentário The Hunting Ground, sobre violência sexual nos campi universitários dos EUA. No final da canção, Gaga ficou rodeada de sobreviventes de abuso sexual em cujas palmas das mãos se lia, entre outras mensagens, "A culpa não foi nossa".

Chris Rock passa a noite a pedir que comprem bolachas

A filha de Chris Rock está a vender bolachas com o seu grupo das escuteiras - nas bancadas dos Óscares. "Vão aos vossos bolsos de multimilionários e comprem bolachas das escuteiras à minha filha", anuncia Chris Rock. "Vá lá Leo [DiCaprio], ganhaste 30 milhões!"

Um pouco mais tarde, Chris Rock revelava que Joe Biden, vice-presidente dos Estados Unidos, lhe deu 20 dólares para comprar bolachas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.