O Sol da Caparica volta a Almada de 16 a 19 de agosto de 2018

A organização do festival O Sol da Caparica, que terminou hoje, anunciou através de uma 'newsletter' que o evento regressa a Almada no próximo ano, de 16 a 19 de agosto.

A edição deste ano do festival, que começou na quinta-feira e que acabou hoje à tarde no parque urbano da Costa da Caparica, em Almada, contou com nomes como Mariza, Bonga, Mafalda Veiga, Xutos & Pontapés, Carlos do Carmo, António Zambujo, Virgul e Bispo, Trovante, Matias Damásio, Sean Riley & The Slowriders, Samuel Úria, Quatro e Meia e de Luís Represas, que substituiu Rita Guerra, que cancelou a sua participação.

O diretor artístico do festival, António Miguel Guimarães, disse à Lusa no arranque do evento que esperava atrair para a Costa da Caparica cerca de 65 mil pessoas ao longo dos quatro dias do festival, apesar de o espaço permitir a entrada de mais pessoas.

"Não queremos 'overdose' de público, queremos que as famílias se sintam bem e temos mais de quatro mil lugares sentados. Acredito que vamos atingir os 65 mil visitantes", defendeu o responsável.

O festival O Sol da Caparica, que aposta na língua portuguesa e na lusofonia, dividiu-se este ano por quatro palcos e três espaços, um totalmente dedicado aos praticantes de 'skate' e outro dedicado ao surf.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.