"Operação Shylock" de Philip Roth sai ainda este ano em Portugal

Igualmente assegurada, embora ainda sem data prevista, está a publicação da biografia do autor

As Publicações D. Quixote anunciaram esta quarta-feira a publicação, ainda este ano, de Operation Shylock: A Confession, de Philip Roth, que se intitulará Operação Shylock.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a editora afirma que "foi com profunda tristeza que recebeu a notícia do desaparecimento de Philip Roth, aos 85 anos, autor muito justamente considerado como um dos grandes escritores norte-americanos de todos os tempos e de quem continuará a publicar toda a obra".

No mesmo comunicado, a editora adianta que a edição portuguesa de Operation Shylock: A Confession foi traduzida por Francisco Agarez, responsável pela tradução dos últimos 11 livros do autor editados em Portugal.

Roth é autor de uma obra extraordinária que nos ensina a refletir mais e melhor sobre a condição humana

"Igualmente assegurada, embora ainda sem data prevista, está a publicação da biografia do autor, inicialmente programada, nos Estados Unidos para este ano, mas que tem vindo a ser adiada por ainda não estar concluída", acrescentou a editora.

Em declarações à Lusa, a editora Cecília Andrade afirmou: "Roth é autor de uma obra extraordinária que nos ensina a refletir mais e melhor sobre a condição humana. Continuaremos a publicar e a divulgar os seus livros com o carinho e atenção que o Philip Roth sempre nos mereceu".

Cecília Andrade é a editora dos livros que constituem a Trilogia Americana, composta por "Mancha Humana", "Pastoral Americana" e "Casei Com Um Comunista".

Philip Roth ganhou, em 1997, com "Pastoral Americana", o Prémio Pulitzer, no ano seguinte recebeu a Medalha Nacional de Artes dos Estados Unidos e, em 2002, o mais alto galardão da Academia Americana de Artes e Letras, a Medalha de Ouro da Ficção, anteriormente atribuída a John dos Passos, William Faulkner e Saul Bellow, entre outros.

O autor norte-americano ganhou por duas vezes o National Book Award, o PEN/Faulkner Award e o National Book Critics Circle Award.

Em 2005, tornou-se no terceiro escritor americano vivo a ter a sua obra publicada numa edição completa e definitiva pela "Library of America" ("Biblioteca da América").

Em 2011, Roth recebeu na Casa Branca, em Washington, a National Humanities Medal e, nesse ano, recebeu ainda o Man Booker International Prize.

No ano seguinte, foi distinguido, em Oviedo, Espanha, com o Prémio Príncipe das Astúrias de Letras.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.