Omara Portuondo no EDP Cool Jazz

Depois de confirmar nomes como Jill Scott ou The Cinematic Orchestra, a organização do EDP Cool Jazz anunciou mais nomes para preencher o cartaz: Omara Portuondo & Diego el Cigala e Luís Represas com Paulo Flores no projeto Mestiço.

Ao fim de 13 edições, o festival EDP Cool Jazz continua a surpreender e desta vez anunciou 4 nomes de peso que tocarão nos Jardins do Marquês de Pombal, em Oeiras, no dia 26 de julho: Omara Portuondo & Diego el Cigala e os "mestiços" Luís Represas e Paulo Flores.

A diva cubana e voz dos Buena Vista Social Club, Omara Portuondo está de regresso a Portugal, mas desta vez acompanhada por Diego el Cigala. A cantora, que celebra o 85º aniversário e 70 anos de carreira, traz ao festival um concerto único integrado na 85 Tour Castellano onde interpretará clássicos da música cubana.

A acompanhá-la estará o cantor de flamenco Diego el Cigala, que Omara conheceu no ano passado. Diego, músico com reconhecimento do público e da crítica mundial, e um dos poucos artistas que permanece fiel às suas origens musicais, regressa a Portugal para, em conjunto com Omara, trazer os ritmos cubanos ao EDP Cool Jazz.

Quem também atuará na mesma noite é Luis Represas e Paulo Flores que juntos, apresentarão o seu projeto Mestiço. O músico português e o rei do semba trarão até ao palco do EDP as suas raízes e as suas origens, numa noite que promete ser melancólica e tocante, para além de excecional.

Estes dois concertos acontecem no dia 26 de julho, a partir das 21.00, nos Jardins do Marquês de Pombal, em Oeiras, com os bilhetes a custarem entre 25 e 50 euros. Omara Portuondo, Diego el Cigala, Luis Represas e Paulo Flores juntam-se assim, aos já confirmados Jill Scott (que atua dia 12 de julho), The Cinematic Orchestra (17 de julho), Seal (20 de julho), Stacey Kent (21 de julho), The Koop Oscar Orchestra (23 de julho) e Mariza Monte que convida Carminho, no dia 27 de julho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.