Obras-primas de mestres espanhóis no Museu de Arte Antiga

El Greco, Zurbarán, Goya e Sorolla entre os artistas representados na exposição que abre amanhã

La Familia de Rafael Errazuriz Urmeneta, de Joaquín Sorolla, é um dos quadros mais surpreendentes da exposição que a partir de amanhã e até 3 de abril pode ser vista no Museu Nacional de Arte Antiga. Colección Masaveu: Grandes Mestres da Pintura Espanhola reúne 60 obras, todas provenientes da coleção de arte espanhola reunida pela família espanhola Masaveu durante cinco gerações, com exceção de um estudo da Casa dos Patudos.

No entanto, é uma obra de El Greco, Jesus é Despojados das Suas Vestes (c.1577.79), o grande destaque desta exposição, ocupando um importante espaço do segundo dos cinco núcleos cronológicos em que é apresentada a exposição.

Dando especial destaque ao chamado Siglo de Oro, mas apresentando obras de artistas espanhóis desde o século XV ao XX, a Coleção Masaveu reúne peças provenientes das mais notáveis pinacotecas de Espanha, como a coleção real, ou a coleção do Infante Sebastião Gabriel de Bourbon e Bragança, neto de D. João VI de Portugal. A política de aquisições tem como um dos grandes objetivos a manutenção em Espanha ou o regresso ao país de obras relevantes de artistas espanhóis.

O núcleo dedicado a Joaquín Sorolla, com obras de todas as temáticas tratadas pelo grande pintor da luz, é outro dos pontos fortes desta coleção. Por essa razão, também Sorolla ocupa nesta mostra um especial destaque.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.