Obras dos museus do Estado não têm seguro

Esta é a regra para obras como a escultura "Arcanjo São Miguel", que no domingo sofreu um acidente no Museu de Arte Antiga

"É uma regra dos museus dependentes da administração central: as peças não têm seguros autónomos, portanto o Estado segura as suas próprias peças. O Estado segura-se a si próprio. É essa norma que há para todo o nosso património. Quanto a responsabilidade, evidentemente tem de haver uma análise, uma ponderação, de certo isso será feito. Se há responsabilidades que têm de ser imputadas de certeza que serão. Eu duvido que haja. Dá ideia que cabe na figura de um acidente", afirma Raquel Henriques da Silva.

A ex-diretora do Instituto Português de Museus e do Museu do Chiado - Museu Nacional de Arte Contemporânea respondia ao DN a propósito do que ocorreu no último domingo no Museu Nacional de Arte Antiga (MNAA): um turista que fotografava uma outra obra, caminhando de costas para o fazer, acabou por derrubar a escultura em madeira Arcanjo São Miguel, que data do século XVIII. A obra estava exposta em cima de um plinto, protegido em todo o perímetro por um estrado, e a sua queda acabou por fazer com que se soltassem "as asas do Arcanjo e as plumas de remate do capacete militar".

"As obras só são seguras quando saem para algum empréstimo. E, aí, logo que saem do seu sítio é feito um seguro de prego a prego, ou seja, desde que saem até que voltam para o seu lugar próprio", lembrava ontem o diretor adjunto do MNAA, José Alberto Seabra Carvalho, no dia em que foi emitido um comunicado de imprensa por parte do museu e da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), que tem a tutela, reafirmando que a "recuperação desta obra é possível, mas exigirá ao Museu a constituição de uma equipa multidisciplinar". Essa equipa, adiantou Seabra Carvalho ao DN, será constituída "em parte por técnicos do museu, em parte técnicos do Laboratório José de Figueiredo", que pertence à DGPC.

"Qual é o orçamento de Estado que fazia um seguro permanente, anual, para os painéis [de São Vicente de Fora] de Nuno Gonçalves ou para o Bosch [Tentações de Santo Antão, recentemente emprestado pelo MNAA ao Museu do Prado]? Temos de jogar na segurança do museu, no cumprimento dos mais altos standards de segurança no museu, e acionar o seguro se há qualquer anúncio de risco: imagine que há uma situação de iminente de terramoto, ou uma guerra", diz Henriques da Silva, informando que a lógica de o Estado se segurar a si mesmo "é comum à grande maioria, se não a todos os museus da Europa".

Ministro anuncia mais vigilantes

Quando o acidente deste domingo foi tornado público, muitos recordaram as declarações do diretor do MNAA, António Filipe Pimentel, no final do verão, quando este, referindo a falta de meios do museu - "São 64 pessoas para 82 salas abertas ao público" - avisou: "Um destes dias há uma calamidade". Para a ex-diretora do Instituto Português de Museus, "ninguém, a não ser de má fé, pode ligar as duas coisas. Um acidente destes pode acontecer numa sala com vigilantes. Este acidente não acontece porque há pouca vigilância. Acontece porque aconteceu. É um acidente." Ainda assim, Henriques da Silva reafirma que há um problema de falta de meios nos museus públicos portugueses. Problema face ao qual o ministro da Cultura prometeu ontem que em 2017 haverá um reforço de 37 vigilantes nos museus. O MNAA, garantiu Luís Filipe Castro Mendes ao Público, "vai ter um reforço de três vigilantes", vagas que estão "neste momento em concurso".

Recorde-se que o MNAA é o segundo museu mais visitado do país, entre aqueles que são tutelados diretamente pelo Ministério da Cultura. Afluência que aumenta nos primeiros domingos do mês, como era o caso do dia do acidente, em que a entrada é gratuita.

Quanto ao visitante que derrubou a escultura, o diretor adjunto do MNAA considera que "não se trata de um ato intencional, não há vandalismo, logo não há crime, deste ponto de vista." Todavia, acrescenta: "Mas sendo um acidente que teve como motor uma ação, não sei se pode ser imputado ao visitante algum ónus por causa do que aconteceu." Seabra Carvalho diz que o museu ficou com os dados de identificação do visitante, "para o caso de ele ter de ser contactado", mas não sabe se a DGPC o contactou.

Fonte do ministério da Cultura afirmou ao DN que a "questão jurídica está a ser analisada". Contudo, tanto o ministério como o museu remeteram a questão para a DGPC, que ontem, até à hora de fecho desta edição, não esclareceu se poderá ser imputado algum ónus ao visitante. Esse que, segundo soube Seabra Carvalho, "ficou incomodadíssimo" e "chorou" quando da ocorrência. Quanto ao restauro, a tutela refere que os custos serão sobretudo "em horas de trabalho". Seabra Carvalho, por seu turno, referiu que esta intervenção "não é dispendiosíssima: não é uma queda da Torre Eiffel". Fechado às segundas-feiras, o museu volta hoje a abrir ao público.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.