Madalena Iglésias foi "marcante para uma geração"

Numa nota de pesar, Castro Mendes "lamenta profundamente a morte da cantora"

Madalena Iglésias, que hoje morreu, aos 78 anos, em Barcelona, foi "marcante para uma geração", afirma o ministro da Cultura, numa nota de pesar.

O Ministro da Cultura, Luís Filipe de Castro Mendes, "lamenta profundamente a morte da cantora Madalena Iglésias", que foi "marcante para uma geração", lê-se no comunicado.

"A sua carreira internacional foi marcada por digressões à América do Sul", afirma o ministro que recorda as palavras de Madalena na sua fotobiografia, em que se referiu à sua carreira como "um caminho percorrido com entusiasmo, alegria, êxitos e algumas nuvens".

Uma "reveladora síntese do legado que nos deixa", atesta Castro Mendes.

A nota ministerial recorda a participação de Madalena Iglésias nos diferentes festivais e as suas vitórias, designadamente no Festival da RTP da Canção, em 1966, com "Ele e Ela", de Marco Canelhas, e em Espanha, onde venceu o de Aranda del Duero, em 1964.

"Antes disso, em 1960, tinha sido eleita na televisão espanhola, por votação popular, a 'Rainha da Rádio e da Televisão'", refere Castro Mendes.

"Ele e Ela", "Balada das palavras perdidas", "Na tua carta", "Poema de nós dois", "Eu vou cantando", "Não sou de ninguém", "Maus caminhos", "Setembro", "Romance da Solidão", "Onde Estás Felicidade", "Poema da vida", "Tu vais voltar", "Amar é vencer", "Tu és quem és" e "Silêncio entre nós" foram alguns dos seus êxitos da cantora.

Madalena Iglésias morreu hoje, em Barcelona, onde se realiza o velório a partir das 18:00 locais (17:00 de Lisboa), na sala 18 do Tanatório de Collserola.

Na quarta-feira é celebrada missa de corpo presente, pelas 16:15 locais, no tanatório, realizando-se em seguida o funeral, para o cemitério de Collserola, informou a família.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.