"O Vendedor", do Irão, ganha Óscar de Melhor Filme Estrangeiro

Farhadi já tinha vencido o Óscar de Melhor Filme Estrangeiro em 2012

"O Vendedor", filme iraniano de Asghar Farhadi, venceu o Óscar de Melhor Filme de Língua Estrangeira.

Ausente da cerimónia, em protesto pelas medidas anti-imigração de Donald Trump, o realizador deixou uma mensagem referindo-se à lei que proíbe cidadãos de sete países de entrar nos EUA. Na mensagem, pediu desculpa por não estar presente em Los Angeles, mas afirmou que tomou a decisão por respeito ao povo do Irão e de seis outros países de maioria muçulmana "desrespeitados" pela "lei desumana" introduzida pela administração do presidente dos Estados Unidos, entretanto suspensa pelos tribunais federais.

"Dividir o mundo entre nós e os nossos inimigos cria medo, uma justificação enganosa para agressão e guerra", ouviu-se no depoimento de Farhadi, que já antes tinha sido vencido um Óscar, na mesma categoria, por "Uma Separação".

O realizador iraniano afirmou ainda que a os "cineastas podem usar as suas câmaras para capturar qualidades humanas partilhadas e quebrar estereótipos de várias nacionalidades e religiões".

"Criam empatia entre nós e os outros. Uma empatia necessária hoje mais do que nunca", concluiu a mensagem de Farhadi.

Farhadi já tinha vencido o Óscar de Melhor Filme Estrangeiro em 2012, com o filme "Uma Separação".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.