O rio do desassossego de Hugo Vieira da Silva

Outra longa portuguesa, outra proposta única. Agora foi a vez de "Posto-Avançado do Progresso", de Hugo Vieira da Silva, a brilhar no Fórum. Nuno Lopes é o protagonista

E de repente paira sobre o festival a ave mais rara. Não, Posto-Avançado do Progresso, de Hugo Vieira da Silva, não é uma ave rara, é uma ave raríssima. Uma adaptação livre, completamente livre do livro homónimo de Joseph Conrad, imaginando dois colonizadores portugueses do século XIX a chegar ao rio Congo para tomar conta de um posto de comércio de marfim. À medida que o tempo passa e o marfim não chega, os dois começam a agonizar e a deixarem-se vencer por uma paisagem de selva e calor.

Depois de Body Rice (2006) e Swans (2011), o cinema de Hugo Vieira da Silva progride para uma dimensão mais simbólica. No meio de uma força plástica relevante, surge a habitual carga coreográfica e jogo de corpos. Os atores Ivo Alexandre (bela surpresa) e Nuno Lopes são atirados para um transe que às vezes parece improvisado, sobretudo na relação com os corpos dos não-atores, em especial os figurantes angolanos.

Em boa verdade, o filme toca em temas tabu da colonização portuguesa, ainda que com um estrondo universal. É sobre quem caça e é caçado. Depois, tira-nos o tapete e é uma variação do filme de fantasmas. Os brancos, muito brancos, são vistos pelos locais como mortos e fantasmas da selva. Daí que faça sentido a cadência de transe e a monumental pincelada de contraste. Claro, o espectador nunca fica em zona confortável - anteontem na sessão para a imprensa, na primeira parte, houve gente a desistir. Digamos que o desconforto (ó que doce desconforto!) é parte do contrato deste gesto selvagem em que cabe uma parábola imensa sobre o racismo dos portugueses, parábola essa que às vezes é servida com uma hipótese de burlesco.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".