O rio do desassossego de Hugo Vieira da Silva

Outra longa portuguesa, outra proposta única. Agora foi a vez de "Posto-Avançado do Progresso", de Hugo Vieira da Silva, a brilhar no Fórum. Nuno Lopes é o protagonista

E de repente paira sobre o festival a ave mais rara. Não, Posto-Avançado do Progresso, de Hugo Vieira da Silva, não é uma ave rara, é uma ave raríssima. Uma adaptação livre, completamente livre do livro homónimo de Joseph Conrad, imaginando dois colonizadores portugueses do século XIX a chegar ao rio Congo para tomar conta de um posto de comércio de marfim. À medida que o tempo passa e o marfim não chega, os dois começam a agonizar e a deixarem-se vencer por uma paisagem de selva e calor.

Depois de Body Rice (2006) e Swans (2011), o cinema de Hugo Vieira da Silva progride para uma dimensão mais simbólica. No meio de uma força plástica relevante, surge a habitual carga coreográfica e jogo de corpos. Os atores Ivo Alexandre (bela surpresa) e Nuno Lopes são atirados para um transe que às vezes parece improvisado, sobretudo na relação com os corpos dos não-atores, em especial os figurantes angolanos.

Em boa verdade, o filme toca em temas tabu da colonização portuguesa, ainda que com um estrondo universal. É sobre quem caça e é caçado. Depois, tira-nos o tapete e é uma variação do filme de fantasmas. Os brancos, muito brancos, são vistos pelos locais como mortos e fantasmas da selva. Daí que faça sentido a cadência de transe e a monumental pincelada de contraste. Claro, o espectador nunca fica em zona confortável - anteontem na sessão para a imprensa, na primeira parte, houve gente a desistir. Digamos que o desconforto (ó que doce desconforto!) é parte do contrato deste gesto selvagem em que cabe uma parábola imensa sobre o racismo dos portugueses, parábola essa que às vezes é servida com uma hipótese de burlesco.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.