O regresso de Astérix, o que não ficou fora de moda

Quatro milhões de exemplares é a tiragem do novo álbum de banda desenhada que chega hoje às livrarias

A nova aventura criada por Goscinny e Uderzo em 1959 intitula-se 'O Papiro de Astérix' e tem personagens tão antigas como Obélix e novas como a inspirada em Julian Assange, o Gerapolémix. Mas há mais, o druida Panoramix vai surpreender e a mulher do chefe, Bonemine, pega as rédeas do poder. Diga-se que a partir desta manhã, poderá saber tudo o que os sucessores, Jean-Yves Ferri e Didier Conrad, inventaram para as novíssimas 48 pranchas.

Em entrevista, os novos autores, que nasceram no mesmo ano que Astérix, 1959, revelam qual o álbum favorito. Diddier: "O que mais gosto é Astérix e Cleópatra e o que menos gosto é A Grande Travessia." Jean-Yves Ferri: "Gosto muito de Astérix e o Legionário e pouco do Obélix e Companhia." Dão a explicação para estes gauleses se manterem populares ao fim de tantos anos: "Goscinny e Uderzo criaram um pequeno mundo intemporal que sobreviveu até à nossa época sem envelhecer. O desenho não perdeu atualidade e é curioso ver que as continuações que mais vendem são as de Astérix e a seguir a de Blake e Mortimer, em número muito superior a todos os outros trabalhos, Ou seja, Astérix não ficou fora de moda. Não é o mesmo com Tintim, que está desatualizado porque era mais realista e circunscrito a uma época precisa, a dos anos 40 a 60."

Tal como Astérix, Ferri e Conrad não fugiram às perguntas, até disputam as respostas como verdadeiros sucessores de Goscinny e Uderzo. No final, disseram que gostariam de emigrar para Portugal, tema que levou a questionar porque não há uma aventura de Astérix no nosso país. O argumentista Ferri tomou nota e o desenhador Conrad fez questão de saber da nossa convivência com os romanos, irritados por não nos deixarmos governar nem nos sabermos governar.

Leia a entrevista completa na edição em papel ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.