O regresso de Astérix, o que não ficou fora de moda

Quatro milhões de exemplares é a tiragem do novo álbum de banda desenhada que chega hoje às livrarias

A nova aventura criada por Goscinny e Uderzo em 1959 intitula-se 'O Papiro de Astérix' e tem personagens tão antigas como Obélix e novas como a inspirada em Julian Assange, o Gerapolémix. Mas há mais, o druida Panoramix vai surpreender e a mulher do chefe, Bonemine, pega as rédeas do poder. Diga-se que a partir desta manhã, poderá saber tudo o que os sucessores, Jean-Yves Ferri e Didier Conrad, inventaram para as novíssimas 48 pranchas.

Em entrevista, os novos autores, que nasceram no mesmo ano que Astérix, 1959, revelam qual o álbum favorito. Diddier: "O que mais gosto é Astérix e Cleópatra e o que menos gosto é A Grande Travessia." Jean-Yves Ferri: "Gosto muito de Astérix e o Legionário e pouco do Obélix e Companhia." Dão a explicação para estes gauleses se manterem populares ao fim de tantos anos: "Goscinny e Uderzo criaram um pequeno mundo intemporal que sobreviveu até à nossa época sem envelhecer. O desenho não perdeu atualidade e é curioso ver que as continuações que mais vendem são as de Astérix e a seguir a de Blake e Mortimer, em número muito superior a todos os outros trabalhos, Ou seja, Astérix não ficou fora de moda. Não é o mesmo com Tintim, que está desatualizado porque era mais realista e circunscrito a uma época precisa, a dos anos 40 a 60."

Tal como Astérix, Ferri e Conrad não fugiram às perguntas, até disputam as respostas como verdadeiros sucessores de Goscinny e Uderzo. No final, disseram que gostariam de emigrar para Portugal, tema que levou a questionar porque não há uma aventura de Astérix no nosso país. O argumentista Ferri tomou nota e o desenhador Conrad fez questão de saber da nossa convivência com os romanos, irritados por não nos deixarmos governar nem nos sabermos governar.

Leia a entrevista completa na edição em papel ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.