O passado e o socialismo de Sting em musical da Broadway

The Last Ship, ou a história de uma comunidade de construtores de navios, foi composta pelo cantor, que assim presta homenagem à sua terra natal no Nordeste de Inglaterra.

Gideon tem 15 anos, uma namorada e um desejo imenso de não ter um destino igual ao do pai como metalúrgico nos estaleiros navais da cidade coberta de fagulha. Decide partir deixando tudo e todos para trás. Regressa 15 anos depois envelhecido e desiludido para encontrar a construção de navios parada, muitos desempregados e a cidade arruinada e explorada por uma grande empresa e compreende que não pode jamais recuperar o passado que deixou. Esta é a história de "The Last Ship", o musical que se estreou no domingo na Broadway, Nova Iorque - um musical melancólico assinado por Sting, que ali reflete, também, as suas memórias pessoais.

A peça foi escrita por John Logan e Brian Yorkey e situa a ação em Wallsend, um subúrbio de New Castle no Nordeste de Inglaterra. Os estaleiros navais entraram em declínio nos anos 80 durante a era de Margaret Thatcher e fecharam definitivamente em 2007 atirando para o desemprego milhares de trabalhadores. O músico é oriundo desta região e também ele um dia se fez ao mundo e deixou tudo para trás. Por isso este musical é também uma tentativa de redimir esse sentimento de culpa e essa impossibilidade de retornar a casa.

The Last Ship é também um álbum conceptual que o músico lançou em 2013, em que estão incluídos a maior parte dos temas deste musical mas também coisas novas. Sting escreveu várias músicas para cada personagem e situações intensificando menos o romantismo da história mas a sua crueza: "Sofremos muitas mudanças à medida que envelhecemos", disse o artista referindo-se ao protagonista Gideon, um homem que tanto pode ser heroico como desonesto.

O musical está em exibição no Neil Simon Theatre, em Nova Iorque, e os bilhetes custam entre 50 e os 150 euros.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?