O passado e o socialismo de Sting em musical da Broadway

The Last Ship, ou a história de uma comunidade de construtores de navios, foi composta pelo cantor, que assim presta homenagem à sua terra natal no Nordeste de Inglaterra.

Gideon tem 15 anos, uma namorada e um desejo imenso de não ter um destino igual ao do pai como metalúrgico nos estaleiros navais da cidade coberta de fagulha. Decide partir deixando tudo e todos para trás. Regressa 15 anos depois envelhecido e desiludido para encontrar a construção de navios parada, muitos desempregados e a cidade arruinada e explorada por uma grande empresa e compreende que não pode jamais recuperar o passado que deixou. Esta é a história de "The Last Ship", o musical que se estreou no domingo na Broadway, Nova Iorque - um musical melancólico assinado por Sting, que ali reflete, também, as suas memórias pessoais.

A peça foi escrita por John Logan e Brian Yorkey e situa a ação em Wallsend, um subúrbio de New Castle no Nordeste de Inglaterra. Os estaleiros navais entraram em declínio nos anos 80 durante a era de Margaret Thatcher e fecharam definitivamente em 2007 atirando para o desemprego milhares de trabalhadores. O músico é oriundo desta região e também ele um dia se fez ao mundo e deixou tudo para trás. Por isso este musical é também uma tentativa de redimir esse sentimento de culpa e essa impossibilidade de retornar a casa.

The Last Ship é também um álbum conceptual que o músico lançou em 2013, em que estão incluídos a maior parte dos temas deste musical mas também coisas novas. Sting escreveu várias músicas para cada personagem e situações intensificando menos o romantismo da história mas a sua crueza: "Sofremos muitas mudanças à medida que envelhecemos", disse o artista referindo-se ao protagonista Gideon, um homem que tanto pode ser heroico como desonesto.

O musical está em exibição no Neil Simon Theatre, em Nova Iorque, e os bilhetes custam entre 50 e os 150 euros.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.