O Ornitólogo chega aos cinemas a 20 de outubro

Premiado filme de João Pedro Rodrigues estreia em Portugal pela mão da Nitrato Filmes, que vai mostrar muito cinema português e se prepara para reabrir as salas Trindade, no Porto

Depois do Leopardo de melhor realizador em Locarno, O Ornitólogo, de João Pedro Rodrigues já ganhou também data de estreia nacional. Será a 20 de outubro e chega na leva de estreias de cinema português da Nitrato Filmes, a distribuidora de Santa Maria da Feira que nos últimos anos levou aos nossos cinemas o melhor do cinema brasileiro de autor.

Mesmo envolvido na polémica em torno dos pagamentos a uma parte da equipa do filme (inclusive o seu realizador), O Ornitólogo estreia-se em Portugal antes da já anunciada estreia francesa, em finais de novembro, véspera da retrospetiva que o Centro Georges Pompidou vai levar a cabo em torno do cinema de Rodrigues. O filme, que além do prémio no festival suíço, já tem exibições garantidas em festivais como Toronto e San Sebastian, é já um dos títulos mais consensuais da crítica internacional. A história de um ornitólogo perdido no Douro Internacional que gradualmente se transforma em santo por entre perdições da carne e visões profanas.

Logo a seguir a essa data a Nitrato promete apostar em força no cinema português e até ao final do ano o ritmo de estreias impressiona. Garantido está também Ornamento e Crime, de Rodrigo Areias, um "film noir" com causa arquitetónica e rodado em Guimarães num esplendoroso preto & branco. O novo filme do realizador de Estrada de Palha é protagonizado pela "fatal" Tânia Dinis e terá a sua estreia em festivais internacionais em outubro no famoso Viennale, na Áustria.

Acontecimento desta rentrée do catálogo luso da Nitrato é 3x3D, três curtas-metragens agrupadas com assinatura de Jean-Luc Godard, Edgar Pêra e Peter Greenaway. Uma experiência em 3D encomendada por Guimarães Capital da Cultura e que teve a estreia internacional na Semana da Crítica de Cannes 2013. Mais vale tarde do que nunca...tal como outra das encomendas da mesma capital da cultura, em 2012, Centro Histórico, com curtas vimaranenses de "monstros" como Manoel de Oliveira, Victor Erice, Aki Kaurismaki e Pedro Costa. O filme de Costa será uma pequena surpresa para os fãs do seu último filme, o brilhante Cavalo Dinheiro.

O documentário também está na lista desta vaga com Phil Mendrix, de Paulo Abreu, sobre um dos mais míticos músicos portugueses, o guitarrista Filipe Mendes, o nosso Jimi Hendrix, e O Espectador Espantado, o último e muito convincente filme de Edgar Pêra sobre o lugar do espectador.

Outro dos vencedores do Festival de Locarno, O Auge do Humano, de Teddy Williams, produção entre Portugal e a Argentina, figura também desta lista de uma distribuidora que em breve será também exibidora a norte do país, neste caso com a reabertura das salas do Trindade, no centro do Porto.

Segundo Américo Santos, o diretor da Nitrato, o cinema português é um desígnio natural: "esta aposta está inserida num outro plano ainda mais ambicioso que pretende tornar o Cinema Trindade como a casa do cinema português no Porto. Convém lembrar que a Nitrato denota um apreço muito especial pelo cinema português, uma vez que foi responsável por uma estreia conjunta de novos realizadores portugueses que incluía filmes de Rodrigo Areias, André Gil Mata e Aya Koretzky, sendo que agora prepara uma acção em torno de Edgar Pêra designada 3 X Edgar Pêra".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.