O monte Evereste e a montanha de Salaviza estão no Lido

A 72.ª edição volta a apostar no compromisso do cinema mais mediático com as propostas mais arriscadas. É isso que torna esta edição numa estimulante maratona de cinema

Um arranque em 3D com pompa de acontecimento. O Festival de Veneza abre com uma aposta no cinema de grande espetáculo de Hollywood. Everest, de Baltasar Kormákur, seta ambiciosa do estúdio Universal para a boxoffice americana. Passa fora de competição e aqui pelo Lido há a expectativa para ver as estrelas do elenco, em especial Jake Gyllenhaal, um ator que parece estar a melhorar com a idade. A abertura do festival contará também com o brilho de Josh Brolin, Emily Watson, Jason Clarke e Keira Knightley. O chamado star power numa sessão de gala que certamente é um sinal de Alberto Barbera, o diretor da Mostra, para voltar a conseguir o melhor de Hollywood e colocar em sentido o festival rival, Toronto.

Everest é baseado em duas expedições afetadas por um dos mais famosos desastres de alpinismo de que há memórias no Monte Everest, em 1996. Regresso ao cinema de catástrofe natural com a caução da "história verdadeira". A narrativa acompanha a luta pela sobrevivência num dos locais mais perigosos do planeta, dando-nos, em paralelo, as reações das famílias dos elementos da expedição. O facto desta produção estar fora de competição é prova de que Veneza quis começar o festival com algo mais acessível e espetacular, sobretudo num ano em que a competição se vira para obras com pendor mais radical.

Uma competição recheada de nomes consagrados: Aleksandr Sokurov foi ao Louvre filmar Francofonia; Marco Bellochio foi a Bobbio filmar Sangue del Mio Sangue, alegoria coral; Jerzy Skolimowki tem pronto 11 Minutes, onde diversas personagens se cruzam numa história onde cada tem um apontamento de...11 minutos; e Atom Egoyan, de novo às voltas com questões de vingança em Remember, com os veteranos Martin Landau e Christopher Plummer.

Leia mais pormenores na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.