O mito de Frankenstein revisto por uma cineasta saudita

O novo filme sobre a escritora Mary Shelley tem assinatura de Haifaa al-Mansour, cineasta nascida na Arábia Saudita

Tempos fascinantes, estes de ávido questionamento das formas de representação - em particular no cinema - do universo feminino. Sem esquecer que qualquer processo desse teor envolve também as complexidades do masculino (mesmo quando os discursos "militantes" tentam reduzir o masculino a um fantasma maligno ou a um pormenor dispensável). Reparemos num filme como Mary Shelley. A sua simples descrição envolve uma curiosa pluralidade: aqui está uma coprodução europeia (Reino Unido-Irlanda-Luxemburgo), evocando a escrita do romance gótico Frankenstein por Mary Shelley (1797-1851), com a americana Elle Fanning a assumir o papel central, pertencendo a realização a uma mulher nascida na Arábia Saudita, Haifaa al-Mansour.

Aproximamo-nos do filme através das memórias de muitas adaptações de Frankenstein com que o cinema tem relançado o mito da criação de um novo ser humano (lembremos o título integral do romance: Frankenstein ou o Moderno Prometeu). Ao mesmo tempo, cedo compreendemos que este não é um filme dependente da representação da "coisa" criada por Victor Frankenstein, mas sim centrado em algo que, histórica e simbolicamente, antecede a dimensão cinematográfica: o desejo que presidiu à sua criação literária.

Por aí passa, aliás, uma fundamental componente dramática. Como filha de um casal de escritores (William Godwin e Mary Wollstonecraft), Mary vive uma insólita contradição existencial: há nela um impulso para a escrita que não encontra eco nos valores dominantes, de algum modo aconselhando-a a não se lançar em tais ousadias; ainda de acordo com tais valores, o seu gosto pelo mundo literário das trevas surge como coisa menor perante a poesia do marido, Percy Bysshe Shelley (1792-1822).

O filme consegue fazer passar uma ideia subtil, contrária a qualquer simplismo feminino ou maniqueísmo feminista. A saber: os artifícios do universo criado por Mary em Frankenstein estão longe de a afastar do mundo em que vivia. Desde logo, porque a história do homem que desafia a criação divina é indissociável das convulsões e experimentações da ciência da época; depois, porque como lhe diz Claire (meia-irmã de Mary), as singularidades criativas de Frankenstein consagram também a sua identidade feminina.

Memória de Wadjda

No papel de Mary, Fanning dá mais uma prova da sua delicada versatilidade, ela que, apenas com 20 anos (celebrados a 9 de abril), se pode considerar uma veterana - começou aos 3 anos, assumindo a versão mais nova da personagem interpretada pela irmã, Dakota Fanning, em I Am Sam - A Força do Amor (2001), filme de Jessie Nelson com Sean Penn e Michelle Pfeiffer. Entre os momentos emblemáticos da sua carreira incluem-se A Porta no Chão (2004), Babel (2006), Super 8 (2011) e Mulheres do Século XX (2016).

De alguma maneira, a personagem de Fanning prolonga a visão de Haifaa al-Mansour que conhecíamos através de O Sonho de Wadjda (2012), primeiro filme dirigido por uma mulher da Arábia Saudita. A personagem central desse filme tinha, de facto, um sonho: possuir uma bicicleta. Para ela, era algo tão vital como escrever um romance sobre a convivência com os monstros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.