O melhor fotógrafo de viagens de 2016 é português

Os trabalhos que mereceram a distinção foram fotografados na Etiópia e no Gana

O fotógrafo português Joel Santos foi o grande vencedor do concurso Travel Photographer of the Year, ou seja, foi eleito fotógrafo de viagens do ano pelo painel da organização sediada em Londres.

As imagens vencedoras podem ser vistas aqui e estarão em exposição em Londres no próximo ano.

O júri considerou que os trabalhados apresentados por Joel Santos, nas categorias "Terra Mar Céu" e "Viagens e Aventuras", mostram uma "assinalável diversidade nos motivos, na técnica e na sensação".

Um dos trabalhos foi fotografado na Etiópia, na Depressão de Afar (ou Depressão de Danakil), com uma câmara montada num drone - é o primeiro vencedor de um prémio com imagens realizadas a partir de um drone. O júri salienta a "perspetiva diferente desta paisagem dramática", que revela "pormenores dramáticos que não seriam visíveis ao nível do solo".

O segundo trabalho oferece "uma visão sensível e íntima da vida de pescadores no lago Bosumtwi", no Gana. As "imagens subtis criam formas belas contra a luz", com profundidade, sublinha o júri.

"Foi com uma enorme honra que recebi esta notícia. É imensamente positivo ver o nosso trabalho/paixão reconhecidos por um dos mais globais e prestigiados prémios internacionais", comentou o fotógrafo na sua página na rede social Facebook.

Joel Santos nasceu em Lisboa e, apesar de ter estudado Economia, dedicou a última década à fotografia, tendo vários livros editados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.