O furacão Cave arrasou com o Primavera Sound

Foi bastante invernoso, o último dia de festival, mas isso não afastou o público do Parque da Cidade, onde a música de Nick Cave pareceu controlar a chuva

Galochas, impermeáveis, guarda-chuva ou simples sacos de plástico na cabeça, era esta a tendência que imperava no Parque da Cidade, no último dia do Nos Primavera Sound, onde a chuva finalmente resolveu aparecer, depois das ameaças não concretizadas de quinta e sexta-feira.

Esta uniformização quase total da audiência, em tudo contrastante com a habitual e colorida diversidade do público, será uma das imagens mais fortes do Nos Primavera Sound deste ano. Outra é a aposta, definitivamente ganha, num programa cada vez mais diversificado, no qual as sonoridades do hip hop e do R&B assumem um cada vez maior e merecido destaque - como se comprovou nas duas primeiras noites, com nomes como Tyler, the Creator, Vince Staples ou A$AP Rocky, responsáveis por algumas das mais animadas e concorridas atuações desta edição de 2018.

"A nossa preocupação é, em cada ano, trazer o que consideramos o melhor da música. E numa altura em que o hip hop está num dos momentos mais pujantes da sua história, tanto em termos artísticos como de popularidade, este cartaz acaba por ser o reflexo disso", afirmou ao DN o diretor do festival, José Barreiro.

E diversidade foi também a palavra de ordem do alinhamento do derradeiro dia de Primavera Sound iniciado ao som de Luís Severo, que desta vez surgiu em palco acompanhado de uma banda.

O horário vespertino e a chuva não jogaram a favor do cantautor português, nem de quem se lhe seguiu. Afinal, quem ia chegando, estava bem mais preocupado em abrigar-se da chuva e assim ir fazendo tempo, até à hora em que Nick Cave subisse finalmente ao palco Nos. Mas ainda faltavam algumas horas e pelos diversos palcos do festival iam-se sucedendo propostas que, pouco a pouco e apesar da chuva, lá iam conseguindo concentrar o público. Como aconteceu com o R&B da cantora americana Kelela ou o punk rock dos californianos Flat Worms, que actuaram no palco Seat, onde logo a seguir os britânicos Public Service Broadcasting também foram responsáveis por um dos maiores ajuntamentos da tarde.

À medida que a noite entrava, porém, todos caminhavam no mesmo sentido, em direção ao palco Nos, onde às dez em ponto apareceu Nick Cave. E com ele, pela primeira vez até então, a chuva abrandou. "Isto não pode ser coincidência" , comentava um fã, comovido, nas primeiras filas, enquanto o cantor australiano Interpretava Jesus Alone, um dos temas do último Skeleton Tree, o álbum escrito após a morte do seu filho Arthur, em 2015. Na infernal versão de from her to eternity, a chuva voltou com força e depois foi-se novamente, ao soarem os primeiros acordes de Red right hand. E assim continuou ao longo de todo o concerto, Ora diminuindo, acompanhando a doçura de Into My arms, ora aumentando, como no final épico de Jubilee Street, quando mais parecia que os céus acompanhavam, também eles, todo aquele turbilhão de emoções.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?