O furacão Cave arrasou com o Primavera Sound

Foi bastante invernoso, o último dia de festival, mas isso não afastou o público do Parque da Cidade, onde a música de Nick Cave pareceu controlar a chuva

Galochas, impermeáveis, guarda-chuva ou simples sacos de plástico na cabeça, era esta a tendência que imperava no Parque da Cidade, no último dia do Nos Primavera Sound, onde a chuva finalmente resolveu aparecer, depois das ameaças não concretizadas de quinta e sexta-feira.

Esta uniformização quase total da audiência, em tudo contrastante com a habitual e colorida diversidade do público, será uma das imagens mais fortes do Nos Primavera Sound deste ano. Outra é a aposta, definitivamente ganha, num programa cada vez mais diversificado, no qual as sonoridades do hip hop e do R&B assumem um cada vez maior e merecido destaque - como se comprovou nas duas primeiras noites, com nomes como Tyler, the Creator, Vince Staples ou A$AP Rocky, responsáveis por algumas das mais animadas e concorridas atuações desta edição de 2018.

"A nossa preocupação é, em cada ano, trazer o que consideramos o melhor da música. E numa altura em que o hip hop está num dos momentos mais pujantes da sua história, tanto em termos artísticos como de popularidade, este cartaz acaba por ser o reflexo disso", afirmou ao DN o diretor do festival, José Barreiro.

E diversidade foi também a palavra de ordem do alinhamento do derradeiro dia de Primavera Sound iniciado ao som de Luís Severo, que desta vez surgiu em palco acompanhado de uma banda.

O horário vespertino e a chuva não jogaram a favor do cantautor português, nem de quem se lhe seguiu. Afinal, quem ia chegando, estava bem mais preocupado em abrigar-se da chuva e assim ir fazendo tempo, até à hora em que Nick Cave subisse finalmente ao palco Nos. Mas ainda faltavam algumas horas e pelos diversos palcos do festival iam-se sucedendo propostas que, pouco a pouco e apesar da chuva, lá iam conseguindo concentrar o público. Como aconteceu com o R&B da cantora americana Kelela ou o punk rock dos californianos Flat Worms, que actuaram no palco Seat, onde logo a seguir os britânicos Public Service Broadcasting também foram responsáveis por um dos maiores ajuntamentos da tarde.

À medida que a noite entrava, porém, todos caminhavam no mesmo sentido, em direção ao palco Nos, onde às dez em ponto apareceu Nick Cave. E com ele, pela primeira vez até então, a chuva abrandou. "Isto não pode ser coincidência" , comentava um fã, comovido, nas primeiras filas, enquanto o cantor australiano Interpretava Jesus Alone, um dos temas do último Skeleton Tree, o álbum escrito após a morte do seu filho Arthur, em 2015. Na infernal versão de from her to eternity, a chuva voltou com força e depois foi-se novamente, ao soarem os primeiros acordes de Red right hand. E assim continuou ao longo de todo o concerto, Ora diminuindo, acompanhando a doçura de Into My arms, ora aumentando, como no final épico de Jubilee Street, quando mais parecia que os céus acompanhavam, também eles, todo aquele turbilhão de emoções.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.